Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex de Michael Jackson falará em tribunal sobre vício em remédios

Debbie Rowe, mãe de Prince e Paris, deverá ser chamada na próxima semana para depor no processo da família do cantor contra a produtora AEG

A ex-mulher de Michael Jackson, Debbie Rowe, deve ser chamada na próxima semana para testemunhar no julgamento do caso da família Jackson contra a produtora AEG Live, acusada de ser uma das culpadas pela morte do cantor, em junho de 2009. Segundo o site TMZ, o depoimento de Debbie acontecerá entre terça e quarta-feira e deve abordar o vício do músico em remédios controlados.

LEIA TAMBÉM:

Conrad Murray ameaça família Jackson em gravação

Paris Jackson deixa hospital rumo a centro de tratamento

De acordo com o site, a mãe de Prince e Paris Jackson deve contar que o uso abusivo de medicamentos era mantido em segredo pelo astro do pop, que ia escondido a consultórios cirúrgicos com o propósito de se drogar e poder dormir. Além disso, Debbie também deve fazer acusações contra o dermatologista Arnold Klein. Segundo o TMZ, Debbie alega que Klein injetava uma mistura dos analgésicos Demerol e Vistaril no cantor quando ele ia até seu consultório.

O testemunho da ex-mulher de Jackson pode ajudar a AEG, já que a companhia alega que não sabia que Jackson era viciado, porque o cantor não falava sobre o assunto abertamente. Caso o júri acredite que Michael Jackson era realmente usuário abusivo de drogas, mas que mantinha seus hábitos em segredo, a AEG poderá comprovar sua inocência.

Os parentes acusam a produtora de ter contribuído para a morte de Michael ao negligenciar seu delicado estado de saúde durante os ensaios para a turnê mundial This Is It. A família, que acredita que a empresa colocou os lucros na frente da saúde do cantor, também processa a AEG por ter delegado os cuidados com o astro ao médico Conrad Murray, condenado pela morte do cantor.

LEIA TAMBÉM:

Fotos inéditas mostram Michael Jackson com os filhos

Michael Jackson não queria fazer ‘moonwalk’ aos 50 anos, diz mãe

Murray está cumprindo pena de quatro anos de prisão por homicídio culposo, cometido ao administrar uma alta dose do analgésico propofol a Jackson como sonífero.