Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

‘É Fada!’: Kéfera faz quase ela mesma em estreia no cinema

Youtuber protagoniza filme inspirado no livro ‘Uma Fada Veio Me Visitar’, de Thalita Rebouças

Por Rafael Aloi - Atualizado em 6 out 2016, 10h30 - Publicado em 6 out 2016, 09h55

O que o 7×1 e a boca de Angelina Jolie têm em comum? Ambos foram causados pela fada Geraldine, que é vivida por Kéfera Buchman no filme É Fada!, inspirado no livro Uma Fada Veio me Visitar (Rocco), da best-seller Thalita Rebouças. Com mais de 9,4 milhões de seguidores no YouTube, a curitibana é uma celebridade da internet brasileira. E também ela uma best-seller: já publicou dois títulos bons de venda pela Paralela, o selo mais comercial da Companhia das Letras. O que Kéfera quer agora é conquistar não um novo público, mas uma nova carreira: a comédia É Fada! marca a sua estreia nos cinema, para onde tenta arrastar centenas de adolescentes, atraídos por sua popularidade.

LEIA TAMBÉM:
Filme com a youtuber Kéfera já captou R$ 3 milhões
Kéfera interpreta fada desbocada em filme. Confira trailer
Kéfera desiste de longa com youtubers e Rafinha Bastos

É Fada! acompanha a espevitada Geraldine, que após inúmeras trapalhadas acabou perdendo suas asas como castigo. Para recuperar os seus poderes, ela precisa cumprir uma última missão: ajudar Júlia (Klara Castanho), uma garota que foi criada pelo pai pobre, cuja mãe rica acaba de voltar da Inglaterra e agora quer colocá-la em uma escola da elite carioca.

Apesar da premissa infantil com lição de moral, o filme não é indicado para crianças de todas as idades. Com uma classificação indicativa de 12 anos, É Fada! traz um roteiro adolescente, com cenas de falsificação de documento e consumo de bebidas alcoólicas por menores, além de piadas e falas com duplo sentido, como “essa fadona” ou “essa fadinha”, cuja cacofonia pode indicar outra coisa. Além dos inúmeros palavrões que saem da boca de Kéfera, e ajudam a tornar os diálogos mais reais.

Publicidade

O filme é todo trabalhado para que Kéfera brilhe muito. A fada tagarela possui falas que se assemelham ao jeito desbocado da youtuber, e garantem risadas com um texto despojado e atual, que também abre espaço para mil caretas, associadas aos vários disfarces que a jovem usa ao longo da produção.

Ela realmente não faz feio. E seu histórico ajuda a explicar por quê. Antes do seu canal na internet, Kéfera teve certa experiência com teatro, em Curitiba, e como apresentadora da MTV e da Mix TV. O produtor Daniel Filho (Se Eu Fosse Você) e a diretora Cris D’Amato (Confissões de Adolescente) souberam explorar a popularidade da versátil curitibana, e colocaram no longa sua cachorra e sua mãe, o que arranca gritos estridentes das adolescentes na sala do cinema.

No desespero de ser um filme curto – com 86 minutos de duração apenas –, o que garante mais sessões e maior público, É Fada! acaba com um final bizarro e repentino, com um clímax tosco e ainda com menos sentido que o resto da história. Mas isso não deve ser uma grande preocupação para os produtores do filme, afinal a youtuber já está lá para garantir que os adolescentes corram para o cinema — e certamente é isso o que importa.

Publicidade