Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘É batalha perdida para Caetano e Chico’, diz biógrafo de Roberto Carlos no ‘Saia Justa’

Depois de Paula Lavigne, que se disse vítima de bulliyng por sua atuação no Procure Saber, programa recebe o historiador Paulo Cesar de Araújo

Em mais um programa dedicado ao tema das biografias não autorizadas, o semanal Saia Justa, comandado por Astrid Fontenelle no canal pago GNT, recebe o biógrafo Paulo Cesar de Araújo, autor de Roberto Carlos em Detalhes, livro vetado pelo cantor capixaba em 2007. Na última semana, participou da atração Paula Lavigne, empresária e presidente do grupo Procure Saber, que reúne artistas como Caetano Veloso, Roberto Carlos, Chico Buarque e Gilberto Gil, todos contrários à publicação de livros sem o aval dos personagens retratados ou herdeiros.

Leia também:

‘Ninguém é dono da verdade’, diz Ivan Lins sobre biografias

Na televisão, Paula Lavigne se diz vítima de ‘bullying’

Para editor de Chico Buarque, Procure Saber elegeu ‘vilão errado’

No programa, Paulo César de Araújo, autor da biografia não-autorizada Roberto Carlos em Detalhes, diz que os medalhões da MPB travam uma batalha perdida. “Lamento, mas é uma batalha perdida para Caetano, para Gil, para Chico, para Roberto. Lamento porque são meus ídolos”, diz o biógrafo, que teve sua obra retirada de circulação e respondeu a processo movido por Roberto Carlos.

Na última semana, Araújo foi alvo de Chico Buarque quando o compositor afirmou, em artigo escrito para o jornal O Globo, que o historiador havia mentido sobre uma entrevista concedida em 1992. Segundo Buarque, a entrevista não teria existido, o que foi prontamente desmentido por Araújo, com fotos e vídeo do encontro. O historiador também vai comentar esse desentendimento no Saia Justa. “Eu acho que bati o recorde, porque ter contra si o ‘rei’ da música brasileira, Roberto Carlos, e depois, de forma inesperada, o príncipe da MPB, Chico Buarque… Só os fortes sobrevivem. Isso me deixa forte, lutando.”

Araújo ainda defende a transgressão como traço do gênero biográfico. “O gênero é por sua própria natureza perturbador, invasor, transgressor. A biografia que não fale da vida pessoal não existe. A biografia, o nome já diz, é a história de uma vida.” Ele defende que o debate priorize a eficácia da Justiça no combate aos crimes de calúnia e difamação, e não a censura prévia de artistas a livros a seu respeito.

Leia também:

Ministério Público Federal diz não à mordaça às biografias

Roberto Carlos quer censurar mais uma publicação