Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Depois de cortar ‘Fora Temer’, BBB importa ‘Muro de Trump’

Menções a política nacional foram desencorajadas em brincadeira no início da temporada. Agora, falsa muralha divide a casa entre ‘EUA’ e ‘México’

Por Maria Carolina Maia - Atualizado em 7 mar 2017, 23h10 - Publicado em 7 mar 2017, 08h47

Seja pela vontade de criticá-lo – alguns diriam bater nele – seja pelo desejo de rir do absurdo de algumas de suas proposições, Donald Trump é um personagem irresistível. E nem o Big Brother Brasil escapou a ele. Na noite desta segunda-feira, numa tirada espirituosa da produção do programa, Tiago Leifert anunciou uma mexida no jogo que tem como mote o famigerado muro que Trump quer erguer na fronteira entre os Estados Unidos e o México – com dinheiro mexicano.

O apresentador primeiro comandou uma falsa eliminação, por si só capaz de incendiar mais os ânimos do confinamento. Cara a cara, em voto aberto, os atuais moradores do reality show deveriam escolher qual dos colegas, e não precisava ser um dos três indicados ao paredão desta semana – se Emilly, Pedro ou Marinalva –, deixaria imediatamente o programa. Emilly foi a mais votada, recebendo com surpresa votos como o da “miga” Roberta.

Depois de se despedir de todos, a gaúcha seguiu para o confessionário, onde indicou os nomes de quatro pessoas por quem seguiria torcendo na atração. Marcos, o namorado, e os amigos Ilmar, Marinalva e Daniel, que votou nela, foram os escolhidos. O público então já sabia, mas não os brothers: esses quatro migrariam para o lado mexicano da casa, agora dividida por um muro como aquele que Trump quer construir. O lado mexicano será o único a disputar a prova da liderança nesta semana. O lado americano, onde ficou o restante do elenco, vai concorrer apenas ao colar do Anjo, aquele que dá imunidade e atribui o castigo do Monstro.

Foi numa brincadeira do Monstro, aliás, que a política surgiu pela primeira vez neste BBB. Convocados a representar os dois hemisférios de um cérebro, que deveriam tanto se contradizer como simbolizar o bem e o mal, Ilmar (o bem) e Marcos (o mal) aproveitaram para marcar suas posições. Enquanto o chef dizia “Fora Temer”, o cirurgião plástico, que via nisso maldade, replicava “Fica Dilma”. A direção logo pediu que mudassem o rumo da brincadeira, alegando que ela deveria se voltar para a própria casa, para o próprio jogo.

Publicidade

Não é o que se vê agora, com uma referência tão explícita à política americana. Desta vez, é o BBB quem se contradiz – quem sabe por não resistir a Donald Trump, cuja vitória deixou chocados os participantes do Big Brother americano no ano passado, confinados à época da eleição.

 

Publicidade