Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Denúncia contra ex de Luiza Brunet inclui 2ª agressão, no Brasil

Atriz acusa o empresário Lírio Parisotto de violência doméstica

Em nota enviada à imprensa, o Ministério Público do Estado de São Paulo confirma a denúncia feita contra o empresário Lírio Parisotto, nesta segunda-feira, por prática de violência doméstica contra a atriz Luiza Brunet.

A nota informa que “o promotor de Justiça Carlos Bruno Gaya da Costa relata na denúncia um caso de natureza leve, registrado em Nova York, em maio, e um segundo episódio, de natureza grave, em dezembro, no Brasil”. Não há detalhes sobre os dois casos no texto, mas sabe-se que a ex-modelo afirma ter sido chutada e socada em Nova York, de onde teria saído com costelas quebradas. Segundo o Ministério Público, se o empresário for condenado pelo crime, ele está sujeito a pena de três meses a três anos (pelo caso lesão corporal leve) e mais uma pena de um a cinco anos (pela lesão corporal grave).

Leia também:
Luiza Brunet diz ter sido espancada pelo ex, Lírio Parisotto
Ex de Luiza Brunet se defende: ‘Versão distorcida’
Luiza Brunet exibe na TV foto de olho roxo após agressão
Luiza Brunet sobre Maria da Penha: ‘Não devemos nos calar’

Entenda o caso – Luiza Brunet afirma que Lírio Parisotto a espancou durante uma viagem a Nova York (EUA), em maio. Ele teria perdido o equilíbrio durante o jantar em um restaurante e, na volta ao apartamento que possui na cidade, teria desferido um soco e pontapés contra a ex-modelo, na madrugada de 21 de maio, da qual a atriz sairia com o olho roxo e quatro costelas quebradas.

Parisotto diz que a denúncia é uma versão distorcida dos fatos e que Luiza já o teria agredido em outras ocasiões. “Ela me atacou dezenas de vezes e eu sempre a segurava pela mão”, contou em depoimento ao Ministério Público.

Nesta terça-feira, Luiza homenageou a lei Maria da Penha, que completa uma década este ano, com um post no Instagram. “Graças à luta de uma mulher – Maria da Penha –, muitas outras estão buscando justiça. Não devemos nos calar”, escreveu.