Clique e assine a partir de 9,90/mês

Dentre os nacionais da Mostra ‘O Palhaço’ é o mais luminoso

A segunda incursão de Selton Mello na direção de longas foi o que mais causou frisson no público

Por Da Redação - 2 nov 2011, 20h46

Entre os destaques nacionais da 35º Mostra de Cinema Internacional de São Paulo, O Palhaço, dirigido por Selton Mello, é certamente o mais luminoso. A segunda incursão do ator na direção de longas-metragens abre um viés de alta na sua carreira. E isso é visível na tela e no público, que tem saído das sessões em estado de graça.

Depois da estreia com Feliz Natal, um filme melancólico, Selton Mello volta agora afinado no ofício de diretor e imprime uma marca em tudo diferente do primeiro filme. Divertido, gracioso e tocante, O Palhaço se passa nos anos 1970 e tem por foco a história de Benjamin (Selton Mello), palhaço de um circo mambembe que faz dupla com o pai Valdemar (Paulo José).

Herdeiro da lona, Benjamin põe em dúvida o talento para tocar o negócio e a vocação para a atividade de palhaço. É quando decide ser um funcionário e levar, digamos assim, uma vida normal. Decisão que afeta a vida dos poucos miseráveis que ainda se dispõem a acompanha-lo no circo. E a dele, claro.

Ao se distanciar de tudo que lhe angustia, as incertezas sobre o futuro e o talento que possui, Benjamin, ou Pangaré, como é chamado nos espetáculos, toma tento de que aquela é sua única profissão possível. Porque há espontaneidade no modo como ele faz as pessoas rirem e o que faltava, até então, se abrir para esse feedback, compreender que há valor no seu trabalho.

Continua após a publicidade

Todos esses questionamentos são alinhavados por um roteiro sem brechas, participações especiais divertidas como as de Ferrugem e do cantor e ator Moacyr Franco. E todo o mais segue a tônica dessa qualidade, vide a direção de arte, a fotografia e a trilha sonora.

O Palhaço é, portanto, um filme em que se nota um artista rumando para o auge de sua carreira – agora como diretor. O público se entrega sem amarras a tanto esmero e dedicação, dando forma a uma união perfeita entre plateia e obra. É bonito de ver.

Assista abaixo ao trailer do filme


Continua após a publicidade

Publicidade