Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Como Johnny Depp torrou sua fortuna: US$ 2 milhões por mês

Ator gastou os tubos para manter iate, castelo, ilhas nas Bahamas e uma equipe de quarenta funcionários

Os gastos desmedidos de Johnny Depp o deixaram à beira da ruína. É o que afirma ação apresentada à Justiça americana nesta terça-feira pela The Management Group (TMG), empresa que administra as finanças do ator. Segundo o processo, Depp, de 53 anos passou cerca de vinte deles torrando uma fortuna de 2 milhões de dólares por mês. A TMG é acusada por Depp pela sua ruína, e está se defendendo.

O gasto do montante é detalhado na queixa: o astro de Piratas do Caribe teria arcado com gastos de 75 milhões de dólares para adquirir ou manter catorze propriedades, como um castelo em uma área de 18 hectares na França, algumas ilhas nas Bahamas, várias casas em Hollywood, penthouses e lofts no centro de Los Angeles, além de uma fazenda para criar cavalos em Kentucky.

Além disso, desde 2000 Depp queimou 18 milhões de dólares em um iate e desembolsou quase 30.000 dólares por mês em vinhos, além de bancar aviões privados, 45 carros de luxo e um séquito de quarenta funcionários, afirma a ação judicial.  A TMG, com sede em Beverly Hillas, afirma que Depp comprou mais de duzentas obras de arte, que incluem peças de Warhol, Basquiat, Modigliani e Klimt, entre outros grandes nomes, setenta guitarras de colecionadores e uma memorabilia de Hollywood tão extensa que precisa ser guardada em doze locais diferentes.

Depp entrou na Justiça em 13 de janeiro acusando a TMG de má gestão de suas finanças, de ter feito empréstimos sem a sua autorização e ocultado do ator as suas finanças devastadas. “Por 17 anos, The Management Group fez todo o possível para proteger o ator de si mesmo”, afirmou o advogado da empresa, Michael Kump. “De fato, quando o banco de Depp exigiu o pagamento de um empréstimo milionário e ele não pôde pagar, a empresa emprestou dinheiro a ele para que evitasse uma crise financeira humilhante”, completou.

A TMG afirma que advertiu Depp em várias ocasiões sobre os gastos “licenciosos”, mas que o ator se limitava a criticar os administradores, aumentando os gastos e exigindo que encontrassem uma maneira de solucionar os problemas. A empresa, dispensada por Depp no ano passado, afirma que o ator deve 4,2 milhões de dólares, o que a levou a embargar os bens do astro. “O único motivo pelo qual Depp apresentou sua demanda foi para interferir nos esforços da TMG de cobrar a dívida”, destaca a empresa.

Depp e a atriz Amber Heard, 30 anos, chegaram a um acordo para encerrar o casamento de dezoito meses, segundo o qual o ator se comprometeu a pagar a ela 7 milhões de dólares.

Confira abaixo o processo movido pela TMG contra Johnny Depp:

(Com agência France-Presse)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Marcelo Coelho

    É um completo boçal;

    Curtir

  2. Rogério Moreno

    São essas pessoas, idênticas a políticos corruptos no quesito ostentação e luxúria, que acham ter moral para te dizer em quem votar e dizerem que o mundo precisa ser mais igualitário……..Idiotas são os que acreditam nelas.

    Curtir

  3. Argemiro Miro Silveira

    Tem mais é que gastar mesmo. A vida é uma eterna armadilha, tem que aproveitar, porque cedo ou tarde voce cai numa enrascada legal, a saúde dança, alguem leva o que é teu e por aí vai.

    Curtir

  4. joaquim vicente de moura andrade

    Só fazer mais um piratas do caribe e esta tudo certo (caxe e de $$$100 mil verdinhas) ai mais uns doisbou tres filmes vender algumas propriedades algumas obras de arte e ja pode começar a gastar novamente, se ele precisar de alguém para administrar tudo bem eu quebro o galho e dou uma manzinha kkkkkkk

    Curtir

  5. Deveria ter dado a fortuna para o LULINHA administrar. Afinal ele ganhava 1.600,00 reais como servente do Zoológico de São Paulo e em um instante ficou milionário. kkkk

    Curtir

  6. Clara Eñelee Kornetz Alves

    Espero que êle seja declarado pela Justiça como ” pródigo”, situação que é um tipo de distúrbio mental. Não sei se o ordenamento jurídico americano contempla esta situação, em que deve ser nomeado um tutor para administrar os bens, que a pessoa não continue a dilapidá-los, caindo na miséria, junto com a família.

    Curtir