Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com platina de Drake, indústria musical respira em 2015

'If You’re Reading This It’s Too Late', disco do rapper, alcançou em agosto o volume de 1 milhão de cópias vendidas, marca só atingida em 2014 no mês de novembro, com '1989', de Taylor Swift

Não é assim aquele alívio, mas a situação, de maneira geral, está melhor do que no ano passado. Enquanto em 2014 a indústria fonográfica americana precisou esperar até novembro para ver surgir um disco de platina, só concedido a artistas que alcançam o volume de 1 milhão de cópias vendidas com um mesmo álbum, neste ano a marca foi atingida em agosto por If You’re Reading This It’s Too Late, do rapper Drake. O quadro não é nenhuma maravilha, no entanto, porque o outro único disco a vender mais de 1 milhão de cópias neste ano é, na verdade, do ano passado: 1989, de Taylor Swift, o mesmo que salvou o mercado americano de um fiasco histórico em 2014.

LEIA TAMBÉM:

Por que Taylor Swift vai salvar a indústria musical

E Taylor Swift cumpriu a profecia: 1,3 milhão de discos vendidos

Outro ponto que impede a indústria fonográfica americana de respirar realmente aliviada é o tempo que Drake levou para receber o disco de platina por If You’re Reading This It’s Too Late, lançado em fevereiro. 1989 precisou de apenas uma semana para obter o prêmio. Os dados são da Nielsen Music, braço da empresa de pesquisas Nielsen focado no mercado musical.

Com o feito — não deixa de ser um –, Drake pode dizer que todos os seus discos alcançaram a marca de 1 milhão de cópias comercializadas: Nothing Was the Same, de 2013, vendeu 1,72 milhão; Take Care, de 2011, 2.26 milhões, e Thank me Later, de 2010, 1,8 milhão, todos garantindo uma platina para chamar de sua. Animado, o rapper vai chegar embalado ao lançamento de seu próximo disco, previsto para 6 de setembro.

Para alcançar Taylor Swift, no entanto, o caminho é longo — para não dizer impossível. Com 1,463 milhão de discos vendidos este ano, o álbum 1989 já acumula, em toda a sua trajetória, 5,124 milhões de cópias comercializadas. Shake, shake, shake, como diria a cantora.