Chico Buarque autoriza ‘Roda Viva’: ‘Solidariedade ao Oficina’

Segundo o diretor do teatro, José Celso Martinez Corrêa, elenco já ensaia a nova montagem da peça, proibida pela censura em 1968

Por Maria Carolina Maia - Atualizado em 17 nov 2017, 18h38 - Publicado em 1 nov 2017, 15h23

Chico Buarque autorizou o Teatro Oficina a fazer uma nova montagem de Roda Viva, texto de sua autoria que foi censurado em 1968 pela ditadura militar, quando encenado pelo mesmo grupo teatral. José Celso Martinez Corrêa, dramaturgo e diretor da companhia, começou a ensaiar a peça há algumas semanas com parte do elenco do Oficina, na esteira do retorno de O Rei da Vela, espetáculo encenado pelo grupo em 1967 e agora de volta ao cartaz, no Sesc Pinheiros.

Roda Viva é filha de O Rei da Vela”, diz Zé Celso a VEJA. “É uma peça ótima, que funciona. A montagem de Roda Viva em 1968 foi maravilhosa, o Mick Jagger veio ver o ensaio e compôs Sympathy for the Devil nessa época”, lembra Zé Celso.  A nova montagem de Roda Viva pelo Oficina estreia, no mais tardar, em 2018.

O Rei da Vela, de Oswald Andrade, conta a trajetória de queda de Abelardo I, um agiota que enriquece com a miséria alheia. Roda Viva, primeiro texto teatral de Chico Buarque, fala de um cantor que muda de nome para tentar agradar ao público. Benedito Silva se transforma em Ben Silvere, uma crítica à indústria cultural e ao controle criativo que Chico Buarque sentia nas gravadoras em que trabalhou. O coro da montagem do Teatro Oficina, que representava, segundo Zé Celso, as diferentes revoluções de pensamento e de cultura da época, é que chocou a turba conservadora. Os integrantes do coro interagiam, tocavam na plateia, provocavam.

O diretor aguardava havia alguns dias uma resposta de Chico Buarque, a quem enviou um e-mail em 20 de outubro pedindo autorização para a nova montagem. Chico, porém, está recluso em Paris, ensaiando a turnê de seu novo disco, Caravanas, demorou a responder e o fez apenas por meio da filha Silvia.

Publicidade

Em sua mensagem, o cantor menciona a situação do Oficina, que voltou a disputar com Silvio Santos o uso do terreno em torno do teatro, uma construção feita pelos arquitetos Flávio Império e Lina Bo Bardi, que morreu sem concluir o seu projeto, que incluía um parque cultural em volta do espaço. “Ele pediu pra te mandar toda a solidariedade pelas suas lutas”, diz Silvia na mensagem enviada a Zé Celso.

Nesta terça-feira, Fernanda Montenegro voltou a defender publicamente o Teatro Oficina na contenda com Silvio Santos. A atriz, que já havia publicado uma carta aberta em homenagem a Zé Celso, desta vez postou um clipe com imagens do grupo teatral, em cima das quais lê a carta que escreveu para o diretor.

Confira abaixo a troca de e-mails entre Chico Buarque (por meio da filha Silvia) e Zé Celso:

 

Publicidade

Zé Celso:

“Amado muito amado Chico,

Te envio aqui o link para o meu blog onde é preferível que você leia a carta que te enviei, sobre a proposta de montar Roda Viva.

Nele, ela encontra-se ilustrada.

Publicidade

O que vai te trazer boas y más lembranças.

https://blogdozecelso.wordpress.com/2017/10/17/montar-roda-viva-carta-a-chico-buarque/

20 de Outubro

Publicidade

Chegar até você foi lindo morrer,

mas te reencontrar é lindo de viver”

 

Publicidade

Chico Buarque (por meio da filha Silvia):

Publicidade

“Querido, hoje consegui conversar com meu pai (…). Ele tá ensaiando o novo show e está totalmente voltado pra isso. Ele liberou a montagem de Roda Viva. E pediu pra te mandar toda a solidariedade dele pelas suas lutas. Vai junto minha total solidariedade também.  Vc é f***!!!!! Beijos muito amorosos, Silvia.”

 

Publicidade
Publicidade