Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Caso Richthofen será tema de dois filmes com estreias simultâneas

Além do longa 'A Menina que Matou os Pais', será produzido 'O Menino que Matou Meus Pais', com o ponto de vista de Daniel Cravinhos. 

O assassinato de Manfred e Marísia von Richthofen, planejado pela filha Suzane von Richthofen e executado pelos irmãos Daniel e Cristian Cravinhos em 2002, não será encenado em apenas um filme, mas em dois, com versões diferentes para a história. 

A Menina que Matou os Pais, terá a atriz Carla Diaz no papel de Suzane e vai narrar os acontecimentos desde o primeiro encontro entre o casal de assassinos, em 1999, até a condenação do trio em 2006, na versão da própria Suzane. O outro longa, previsto para estrear simultaneamente, se chamará O Menino que Matou Meus Pais e terá a perspectiva de Daniel Cravinhos, interpretado pelo ator Leonardo Bittencourt. 

 

A Atriz Carla Diaz no papel de Suzane e o ator Leonardo Bittencourt interpretando Daniel Cravinhos A Atriz Carla Diaz no papel de Suzane e o ator Leonardo Bittencourt interpretando Daniel Cravinhos

A Atriz Carla Diaz no papel de Suzane e o ator Leonardo Bittencourt interpretando Daniel Cravinhos (Divulgação/Divulgação)

“Temos discutido o que é verdade. O que ela fala e o que ele fala. É verdade? Se eles estão falando coisas diferentes, qual é a verdade?”, Indaga o diretor Maurício Eça, que comanda os dois filmes. “São coisas que a gente descobriu na leitura do processo, versões, às vezes do mesmo fato, mas diferentes.” 

O roteiro, escrito pela criminóloga Ilana Casoy, que esteve presente durante a simulação do crime e na condenação dos jovens, e pelo autor de livros policiais Raphael Montes, é baseado nos autos do processo que condenou Suzane, Daniel e Cristian Cravinhos a quase 40 anos de prisão. 

O orçamento dos filmes ficou em R$ 8 milhões, valor considerado alto para produções nacionais. Autorizados a receber cerca de R$ 2 milhões do Fundo Setorial do Audiovisual, os produtores resolveram abrir mão de verba pública e financiaram os longas com o próprio dinheiro.

“É um caso único no cinema mundial essa produção exatamente da mesma história porém com olhares diferentes. É uma oportunidade para o público analisar e chegar à sua própria conclusão sobre os fatos”, afirma o produtor Gabriel Gurman. 

Os dois longas serão lançados simultaneamente nos cinemas em sessões alternadas e duplas. A previsão é para o primeiro semestre de 2020.