Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Campanha nas redes sociais pede um Natal sem Simone

Usuários imploram para alguém tirar o dedo do botão “repeat” que faz com que, há duas décadas, todo fim de ano seja marcado por ‘Então É Natal’, a versão nacional e acafonada de ‘Happy Christmas – War Is Over’, de John Lennon

Por Da Redação - Atualizado em 10 dez 2018, 09h57 - Publicado em 22 dez 2013, 13h38

Quem presta vestibular este ano provavelmente não sabe o que é um Natal sem Simone. Há dezenove anos, é só chegar dezembro para que lojas, restaurantes e elevadores disparem a canção mais tocada e grudenta dessa época do ano: “Então, é Natal, e o que você fez?/ O ano termina / e nasce outra vez”. A voz da baiana Simone, cantora que já conta 40 anos de carreira, mas há quase duas décadas é mais conhecida como uma espécie de intérprete “do peru” do país, sobe para entoar nada menos que seis vezes o verso “Então é Natal”, quatro vezes a variação “Então, bom Natal” e outras três a abreviação “É Natal”. Em quatro minutos de canção.

ENQUETE: Você é a favor de ‘Então É Natal’ na ceia de 2013?

Cansados dessa repetição, usuários de redes sociais organizaram a campanha Natal sem Simone, que pede para estabelecimentos comerciais evitarem a faixa-chefe de 25 de Dezembro, disco lançado por Simone em 1995 – se não o álbum todo. Procurada para comentar a ação nas redes, a cantora não atendeu a reportagem. No programa Altas Horas, exibido pela Globo neste sábado, contudo, Simone, vestida de branco como um Roberto Carlos, considou “lamentáveis” as críticas que 25 de Dezembro e Então É Natal vêm recebendo. “Eu lamento que se pratique esse ato violento e espero que a gravadora tome as providências cabíveis e necessárias, porque isso não cabe a mim, a mim cabe cantar”, disse.

Lamentável mesmo é que ela não entenda que toda repetição ao extremo vira tortura. E que não veja como esse trabalho que defende fez mal à sua carreira – que já foi, digamos, mais ambiciosa, flertando com o samba e a MPB, e hoje é estigmatizada pela canção do eterno retorno.

Publicidade

‘Então É Natal’

Verdade seja dita, a música não é a pior do cancioneiro nacional — a base melódica de John Lennon é respeitada e a letra em português, com profundidade suficiente para uma canção pop, se encaixa sobre ela. Mesmo o coral de vozes agudas, ao fundo, está na versão original. E ele é típico de músicas dessa época do ano, então, apesar do sentimentalismo transbordante, é perdoável. Duro de ouvir é a interpretação de Simone, que beira o romantismo desbragado — impressão que os anos e anos de repetição da faixa só fazem agravar. Mas bizarro mesmo é a cantora mencionar livremente as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, alvos da bomba atômica, ao fim de uma versão que nada mais tem a ver com guerra, um dos motes de seu criador, John Lennon, que ao lado de Yoko protestava contra o conflito armado no Vietnã. Hiroshima e Nagasaki são jogadas na música como frutas secas em uma farofa de Natal.

A versão original

Publicidade

A versão original de John Lennon, lançada entre 1971 e 1972, incorporava o momento político vivido pelo músico ao lado da mulher, Yoko Ono. Eles questionavam a Guerra do Vietnã (1959-1975), o racismo e a ação individual das pessoas na luta por um mundo melhor. Simone defende a canção como um legado de Lennon. Falta dizer, no entanto, que não tem o mesmo contexto. Nem o mesmo lastro.

Publicidade