Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Camarote de Ivete desabou por sobrecarga, indica perícia

Acidente durante apresentação em São Paulo, no sábado, feriu 48 pessoas

A primeira análise da perícia no camarote que desabou na noite de sábado durante o show da cantora Ivete Sangalo na Arena Anhembi, em São Paulo, indica que a estrutura sofreu sobrecarga, informou há pouco a TV Globo. De acordo com peritos do Instituto de Criminalística que vistoriaram o local neste domingo a estrutura estava em bom estado e pode ter desmoronado por conta da concentração de pessoas num mesmo ponto do camarote – mais próximo do palco.

Estrutura de ferro que cedeu durante a apresentação da cantora Ivete Sangalo, no Anhembi, em São Paulo - 20/08/2011 Estrutura de ferro que cedeu durante a apresentação da cantora Ivete Sangalo, no Anhembi, em São Paulo – 20/08/2011

Estrutura de ferro que cedeu durante a apresentação da cantora Ivete Sangalo, no Anhembi, em São Paulo – 20/08/2011 (/)

A hipótese já tinha sido levantada pelo delegado responsável pela investigação do acidente, Oswaldo Nico Gonçalves, no sábado. Ele explicou que o camarote tinha dois andares, mas que, durante o show, as pessoas se concentraram todas no primeiro andar, o que sobrecarregou a estrutura.

Na noite de sábado, parte do camarote cedeu e deixou 48 feridos. Pelo menos quatro tiveram fraturas. Havia 3.000 pessoas no camarote e nenhuma ficou gravemente ferida. O local tinha capacidade para receber 5.000 pessoas. A empresa que organizou o show, a Atrás do Trio, informou em comunicado que o camarote havia sido vistoriado pelos órgãos competentes e tinha alvará para funcionamento.

Ivete Sangalo publicou mensagem em sua página oficial do Twitter a respeito do acidente. “Indo dormir agora. Quero deixar o meu beijo e as minhas orações àqueles estavam em meio ao que aconteceu no camarote. Meu respeito e carinho”, escreveu a cantora. Apesar do desabamento, a apresentação não foi suspensa. De acordo com o organizador do show, Mauricio Moreira Prado, o “pequeno incidente”, não justificava a paralisação.