Bruno Barreto critica ‘preconceito’ contra ‘Pequeno Segredo’

Presidente da comissão que escolheu filme para representar o Oscar, cineasta garante que não houve pressão política: 'Marcelo Calero adorou Aquarius'

Por Da redação - Atualizado em 14 set 2016, 10h51 - Publicado em 14 set 2016, 09h23

O cineasta Bruno Barreto, presidente da comissão que escolheu o filme Pequeno Segredo para representar o Brasil na disputa por uma vaga ao Oscar, disse estar arrependido por não ter cancelado a reunião com os membros do comitê. “Eu me arrependo por não ter pedido o cancelamento ao saber que duas pessoas iriam faltar. Isso teve influência no resultado final.” Bruno se refere à ex-secretária de Cultura do Rio, Adriana Rattes, e à diretora Carla Camurati. Apesar da colocação, ele diz achar que o resultado foi legítimo.

LEIA TAMBÉM:
‘Queria falar da perda’, diz Bruno Barreto de ‘Flores Raras’
Diretor de ‘Pequeno Segredo’: Polêmica do Oscar ofusca filme

“As pessoas são capacitadas, conhecem cinema, e o processo foi liso. Está havendo um preconceito com o resultado, um ‘não vi, não gostei’.” Uma prévia na definição do escolhido, segundo Bruno, estava com quatro votos para Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, quatro para Pequeno Segredo, de David Schürmann, e um pendendo para Nise – O Coração da Loucura, de Roberto Berliner. No desempate, o voto de Nise foi para Pequeno Segredo. Bruno prefere não revelar seu voto.

MinC indica ‘Pequeno Segredo’ para disputar vaga no Oscar
Diretor de ‘Aquarius’ sobre MinC e Oscar: ‘Decisão política’

O diretor rebateu as acusações de represália a Aquarius, de Kleber Mendonça. “Não existiu pressão política, o ministro da Cultura (Marcelo Calero) adorou Aquarius.” E seguiu: “Não adianta votarmos no filme de que gostamos mais. Precisamos saber que existe um padrão de produção que funciona para o olhar estrangeiro.” Se Pequeno Segredo tem chances? “Ele tem melodrama, criança, aids. Não sei se será o melhor, mas tem elementos.”

Publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade