Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Bell Marques anuncia saída do Chiclete com Banana

Músico publicou vídeo no YouTube no qual afirma que deixará o grupo depois do Carnaval de 2014 para seguir em carreira solo

Por Da Redação - 10 set 2013, 15h06
Bell Marques do Chiclete com Banana, em Salvador
Bell Marques do Chiclete com Banana, em Salvador VEJA

O músico Bell Marques publicou vídeo no YouTube nesta terça-feira no qual afirma que vai deixar o Chiclete com Banana e seguir em carreira solo. Segundo Marques, ele sairá do grupo, que comandou por mais de 30 anos, após o Carnaval de 2014.

“Sem dúvida, essa é a fala mais difícil da minha vida profissional. Nunca imaginei que esse dia pudesse chegar”, diz o músico, bastante emocionado, no vídeo. “Ninguém se separa de uma relação de 30 anos por esse ou por aquele motivo. Se separa por desgastes, conflitos e divergências de opiniões envolvendo ambas as partes”, afirma, dando a entender que sua saída do grupo está relacionada a problemas de relacionamento entre ele e seus colegas.

Os “chicleteiros”, como são chamados os fãs do grupo, não gostaram da notícia, e manifestaram suas opiniões nas redes sociais. “Chiclete sem Bell não existe, nem Bell sem Chiclete”, escreveu a fã Caroline Teixeira Ramos no Facebook. Outros fãs disseram ainda que vão continuar acompanhando o cantor, mesmo fora do grupo. “Bell, só tenho uma coisa a dizer: eu só vou pra onde você for! Sou chicleteira de coração, levo minha família nos shows, amo Carnaval, e se é isso que você quer mesmo, tá valendo! O importante é ser feliz!”, escreveu a fã Paula Lavinas.

Publicidade

Daniela Mercury

Antes de estourar em todo o país com o CD O Canto da Cidade, em 1992, a cantora criou e liderou, de 1989 a 1990, a banda Companhia Clic, pela qual lançou dois discos. Nessa faixa, Manágua, é possível ouvir o vocalize que se tornaria marca do seu estilo de interpretação. Em 1990, Daniela partiu para a carreira-solo e foi substituída por Carla Visi, que depois se tornaria vocalista da Banda Cheiro de Amor. Em 1990, veio o primeiro CD só seu, que levava o seu nome.

 

Carla Visi – Banda Cheiro de Amor

Depois de substituir Daniela Mercury na Companhia Clic, que gravaria com ela seu terceiro e quarto discos, Companhia Clic III e Cia Clic, Carla Visi assumiu o vocal da banda Cheiro de Amor no lugar de Márcia Freire, que saía para tentar carreira-solo. Como grupo de axé costuma lançar um disco por ano — sempre de olho no Carnaval –, Carla gravou quatro CDs com a Cheiro de Amor, entre 1996 a 1999. Por causa deles, é uma das vozes mais lembradas do grupo até hoje. Em 2000, partiu para carreira-solo e dá lugar à volta de Márcia Freire à banda. Hoje, o grupo é comandado por Alinne Rosa.

 

Publicidade

Ivete Sangalo – Banda Eva

A baiana Ivete Sangalo ganhou reconhecimento ao integrar a Banda Eva em 1993, com quem lançou cinco álbuns de estúdio, uma coletânea e um ao vivo, em 1997. No mesmo ano, Ivete deixou o grupo para seguir carreira solo. Ela gravou seu primeiro disco sozinha em 1999, o qual levava o seu nome. Após a saída da cantora, a Banda Eva lançou um álbum de estúdio em 2000 e outro ao vivo com Emanuelle Araújo nos vocais. Em 2002, Saulo Fernandes assumiu o posto e seguiu como cantor até o Carnaval deste ano, quando também decidiu seguir em carreira solo.

Claudia Leitte – Babado Novo

Publicidade

Claudia Leitte ganhou destaque em 2003, quando passou a fazer parte do grupo de axé Babado Novo, com quem lançou cinco álbuns, sendo três de estúdio e dois ao vivo. Em 2008, a cantora decidiu seguir carreira solo e, logo de início, lançou um CD gravado ao vivo em Copacabana. Depois vieram dois álbuns, As Máscaras e Negalora, além do DC e DVD ao vivo Axemusic, com data de lançamento previsto para outubro de 2013.

Netinho – Banda Beijo

Netinho entrou para o cenário musical em 1988 com o lançamento do primeiro disco da Banda Beijo, Prove Beijo. O grupo de axé contou com o vocalista até 1992, e com ele lançou cinco discos de estúdio no período. No ano seguinte, o cantor gravou Um Beijo Para Você, seu primeiro CD solo. De lá para cá, foram outros nove álbuns de estúdio e outros três ao vivo. Após a saída de Netinho, a cantora Gilmelândia assumiu os vocais da Banda Beijo e lançou os discos Meu Nome É Gil e Apaixonada, saindo em 2001 para também seguir carreira solo.

Publicidade