Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Beira-Mar’ mostra um Brasil de praias cinzas e águas escuras

Em entrevista, os diretores Filipe Matzembacher e Marcio Reolon afirmam que o filme é baseado em memórias individuais, mas não é autobiográfico

Colocados lado a lado, ‘Beira-Mar’, dos estreantes gaúchos Filipe Matzembacher e Marcio Reolon, e ‘Sangue Azul’, quinto longa do pernambucano Lírio Ferreira, poderiam ser de países diferentes. E é como se fossem, já que o Brasil são vários. ‘Beira-Mar’, que teve uma primeira sessão completamente lotada na mostra Forum do 65º Festival de Berlim, na quinta-feira (5), tem como cenário o litoral gaúcho, durante o inverno. É numa praia cinza, de águas escuras, que os amigos adolescentes Martin (Mateus Almada) e Tomaz (Maurício José Barcellos) vão passar um fim de semana – o primeiro foi enviado pelo pai para resolver um assunto familiar. Aqueles dois dias vão mudar para sempre a relação entre os garotos e a percepção que cada um tem de si mesmo. ‘Beira-Mar’ aposta no naturalismo das atuações do seu pouco experiente elenco e dos diálogos extraídos do cotidiano, enquanto a câmera passeia entre o foco e o fora de foco para evocar as memórias daquele lugar. Os diretores falaram com o site de VEJA, confira abaixo.

Leia também

‘Life’ mostra duas semanas que mudaram a vida de James Dean

Brasil tem participação grande, mas fora de competição

‘Cinquenta Tons de Cinza’ vai estrear no Festival de Berlim

Documentário de Walter Salles vai ao Festival de Berlim

Beira-Mar é o primeiro longa de vocês. Como é estrear já no Festival de Berlim?

Filipe Matzembacher – É um prazer enorme estrear ‘Beira-Mar’ mundialmente aqui na Berlinale. É um festival pelo qual a gente tem muito apreço. E principalmente por estar participando da Forum, uma mostra que foca em filmes com um olhar especial. Dá muita visibilidade ao filme.

Vocês dizem que a história é parcialmente autobiográfica. Como é isso?

Marcio Reolon – O filme é baseado nas nossas memórias individuais, minhas e do Filipe. A gente trouxe algumas situações que derivavam dessas memórias, mas o filme, em si, é uma ficção, não é autobiográfico. Ele é construído em cima de elementos biográficos, mas a história em si não é autobiográfica.

Por que essa história, então, para seu primeiro filme?

Matzembacher – A gente percebeu que tinha os mesmos medos, anseios, desejos, que passou por situações similares na nossa adolescência e as vivenciou muitas vezes no mesmo lugar, essa praia onde eu e o Marcio coincidentemente costumávamos veranear. Para a gente, foi importante fazer um filme que falasse sobre a entrada na vida adulta. A ideia começou a ser desenvolvida quando a gente tinha 20 e poucos anos, a gente queria fazer um filme de igual para a igual, falar de jovem para jovem.

Essa praia no inverno, no Rio Grande do Sul, é uma paisagem quase inusitada para um filme brasileiro.

Matzembacher – No Rio Grande do Sul, a gente tem um verão muito quente, mas um inverno bem rigoroso. Nem sempre esse espaço é retratado, e ele faz parte do Brasil. Essas praias que durante o inverno são frias, de água escura, com bastante vento. O filme se passar no inverno acrescenta muito. Naquela cidade meio vazia, na beira do mar, os personagens começam a entrar para dentro de si e enfrentam sua personalidade, o caráter que vão construir para acessar a vida adulta.

Quais foram as escolhas estéticas do filme?

Reolon – Como o roteiro surgiu a partir das memórias, a gente quis trazer esse tema da memória para a câmera. Ela se comporta como se fosse um terceiro amigo que tivesse embarcado junto naquela viagem. Na verdade tudo o que a gente assiste são as memórias desse terceiro amigo, que em alguns momentos está mais clara, vívida, em outros momentos, está mais desfocada, se perdeu com o passar do tempo. Em alguns momentos observa de longe, em outros quase participa da situação.

Matzembacher – Mas para a gente a questão principal de fazer cinema é a lida com os atores. A gente fez um processo de construção coletiva, para ver como os atores podiam contribuir com o roteiro, como acessar esses dois meninos, porque o Mateus tinha feito curtas, e o Maurício nunca tinha atuado antes. Foi muito bonito o processo, a gente teve sete meses de ensaio. Durante a filmagem, os atores ficaram hospedados na locação, nos quartos de cada personagem. E foi tudo rodado na ordem, o que é raro.

Uma coisa que chama a atenção é que existem os diálogos importantes, mas também várias conversas banais, do dia-a-dia. Por quê?

Matzembacher – Uma coisa que a gente pensa muito sobre o Beira-Mar é que ele fala muito sobre afeto. E a gente discutiu o que seria o afeto. Para a gente, afeto é despender tempo com a outra pessoa. Então nos diálogos você tem contato com coisas mais profundas, pesadas, e há momentos em que o contato é com o ordinário.

Reolon – O espectador passa esse tempo com os personagens. Na medida em que um personagem vai descobrindo coisas sobre o outro, o espectador também vai. E elas não vêm de revelações bombásticas, nem de grandes acontecimentos.

O filme fala sobre sexo. O Brasil, apesar de tudo, pode ser bastante conservador. Por que era importante para vocês tratar do tema?

Matzembacher – Há várias maneiras de abordar a sexualidade. Sempre foi essencial fazer um filme em que a sexualidade estivesse presente e que a gente mostrasse um amigo contando para o outro algo importante e tendo como resposta que era OK. Acho que um jovem, vendo isso, pode se sentir mais confortável de se assumir.

Marcio – E também é importante ver que um amigo, ao ouvir isso de outro, pense que é OK. A gente precisa desse tipo de referência.