Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘BBB18’: Paula beira a xenofobia na tentativa de chegar à final

‘Sou brasileira raiz’, diz a ex-jogadora de vôlei, ao defender sua permanência contra a Família Lima no último paredão desta edição

“Por que você deve estar na final do BBB18? Três, dois, um é seu”, diz Tiago Leifert, dando a deixa para que a ex-jogadora de vôlei Paula faça a sua defesa, depois de ser indicada por Kaysar, o último líder desta edição do Big Brother Brasil, para o derradeiro paredão do reality show da Globo neste ano, na noite desta segunda-feira. As primeiras palavras da paulista são: “Bom, Tiago, eu sou brasileira raiz”.

A mensagem é clara: quero o prêmio e, assim, desbancar Kaysar, um refugiado sírio que sequer deveria estar neste programa de nome “Brasil”, como a própria Paula e o já eliminado Wagner chegaram a sugerir durante esta edição do BBB. Kaysar deveria participar do Big Brother Síria, chegaram a dizer, em uma estratégia de jogo que resvala na xenofobia, a aversão ao estrangeiro, em um país que tem a mítica imagem de acolhedor.

É um jogo duro e parece motivado pela força de Kaysar: ele quer trazer os pais da Síria, país que está em guerra há anos e acaba de ser bombardeado pelos Estados Unidos de Donald Trump, e instalá-los no Brasil.

Para fazer frente ao apelo do sírio e provar que é uma brasileira “raiz”, Paula fala justamente em guerra em sua defesa. “Sou neta de um ex-combatente da Segunda Guerra”, continua, para em seguida afirmar que seus pais são “trabalhadores”.

O Big Brother Brasil é um jogo, é fato. As pessoas fazem acordos, dissimulam, omitem táticas em busca do prêmio de 1,5 milhão de reais, isso já é mais ou menos aceito pelo espectador. Basta lembrar que o programa vai para o seu 19º ano. Mas caminhar pelo terreno da xenofobia, talvez na tentativa de atingir uma parcela do público inclinado à discriminação, parece um passo arriscado. Enquetes na internet, aliás, sugerem que Paula sai hoje. E está fora da final.

Veja também
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Geraldo Coelho

    certissima

    Curtir

  2. Reginaldo Pinho

    Tremenda desonestidade intelectual da Marina Carolina Maia, que assina a matéria, quando diz que a Síria “foi bombardeada pelos EUA de Donald Trump”. O texto se apresenta como uma escancarada xenofobia anti-americana com interesse político ideológico. O bombardeio foi na verdade, como se pode se confirmar inclusive em matérias publicadas aqui na Veja, uma coalizão de forças dos EUA, França e Reino Unido contra o perigo sempre presente aos países democráticos em que a liberdade ainda existe contra a tirania do poder hegemônico do mal que quer conduzir, à força, países para a órbita comunista controlada pela Rússia, com apoio do Irã e demais aliados. A jornalista na matéria em tela expressou sua opinião eivada de preconceitos. Tenta criticar preconceito agindo de maneira preconceituosa e temerária. O que afirmo não é minha opinião, é um esclarecimento em sintonia com os fatos. Coerência, deve sempre ser uma importante base para as nossas colocações.

    Curtir

  3. Essa menina contrariou algum interesse da Globo. Uma passada rápida na internet e nota-se claramente uma campanha com muito dinheiro para desmoralizar ela completamente. Mas como o público da Globo tem um orgulho de sua própria burrice. Tudo isso passa em branco.

    Curtir

  4. ESSA MARIA CAROLINA MAIA É UMA JORNALISTAZINHA DE GIBI PORNOGRÁFICO, ESTAGIÁRIA DE QUINTA CATEGORIA!!! DESINFORMADA E TENDENCIOSA!! PÉSSIMA PROFISSIONAL!! A VEJA DECAIU E MUITO!!

    Curtir

  5. Essa redação não tem chefe!?

    Curtir

  6. Osmar Serrragem

    Esta Paula é uma mediocre insuportavel. Sempre que pode ataca o nobre Kaysar, que a trata, ingenuamente, com o maior carinho…

    Curtir

  7. Osmar Serrragem

    Anauê, Paula! Anauê!

    Curtir

  8. Osmar Serrragem

    Desafio a intelectual Paula a listar os aliados do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Não sabe nem onde é a Siria…

    Curtir

  9. Marcos Santos

    Tática bolsominion kamikaze. Tal qual há de ocorrer em outubro no Brasil: xenófobos, homofóbicos, racistas e qualquer outra classe de preconceituosos, não passarão!

    Curtir

  10. Felippe Segnin

    A jornalistazinha no intuito de criticar Trump, deturpa até a realidade dos fatos…Mais um esquerdista enrustida na Veja…

    Curtir