Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘BBB16’ tem encontro de gerações, mulheres poderosas e prova do líder na estreia

Reality começou com apresentação dividida conforme a faixa etária dos participantes e uma prova de resistência que vai decidir o primeiro líder da casa

Ao som de Boys Don’t Cry, do The Cure, imagens de momentos históricos no Brasil e no mundo abriram a 16a edição do Big Brother Brasil. A justificativa foi mostrar as referências culturais, comportamentais e até políticas que serviram de pano de fundo às experiências de vida das gerações representadas pelos participantes do programa: a geração que “se joga” (faixa etária dos 20 anos), a que “se vira” (os “trintões”), a que “se garante” (40’s) e a que “se ama” (50-60 anos). A proposta dessa versão do reality show é, segundo o apresentador Pedro Bial, não promover um confronto, mas sim um encontro de gerações.

Leia também:

‘BBB16’ tenta recuperar audiência com elenco de ‘gente comum’

‘BBB16’ começa nesta terça. Relembre os maiores podres da edição anterior

Antes da estreia, participantes do ‘BBB16’ já soltam pérolas

Relembre os casais do ‘BBB’ que sobreviveram ao fim do reality

Essa ideia moldou, inclusive, a apresentação dos competidores. Em vez de abrirem a porta da casa escandalosamente como de praxe, com direito a muitos gritinhos histéricos de “U-hu!”, beijos no gramado e mergulhos comemorativos na piscina, os doze candidatos ao prêmio de 1,5 milhão de reais surgiram escondidos em dois contêineres. Foi uma boa sacada, já que o público pôde acompanhar a surpresa de todos ao verem uns aos outros pela primeira vez, ao mesmo tempo.

Vídeos engraçadinhos, fotos de família e frases de efeito pontuaram a apresentação dos brothers ao público. E, como diria Anitta, prepara que agora é hora do show das poderosas. À primeira vista, tudo leva a crer que a ala feminina vai dominar a cena nessa edição. Empoderadérrimas, cheias de si, esbanjando autoestima, batendo cabelo (a participante Ana Paula que o diga!) e muito “amostradas” (Maria Cláudia já começou com uma pérola), as mulheres prometem cenas memoráveis. Não é à toa que o hit feminista Survivor, famoso com o grupo Destiny’s Child e recentemente regravado por Clarice Falcão, foi a trilha sonora da trajetória de Adélia. Vale dizer que até a doce Munik, com seu charmoso sotaque interiorano, já sinalizou que costuma acordar nervosa. Pelo jeito, não vai faltar assunto para os devaneios filosóficos de Ronan e Alan.

A música deu literalmente o tom à primeira prova do líder, que já acontece nesta terça: uma maratona de dança disputada por quatro grupos, cada um com participantes de faixas etárias distintas. A liderança ficará com a equipe que aguentar até o fim, ou melhor, desistir por último. As mulheres, obviamente, eram as mais entusiasmadas.