Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Austrália ameaça sacrificar cães de Johnny Depp

O governo da Austrália ameaçou nesta quinta-feira sacrificar os cães Pistol e Boo, dois terriers que o ator americano Johnny Depp levou para o país, onde roda o novo Piratas do Caribe, sem avisar às autoridades locais. Pela lei australiana, cães e gatos estrangeiros devem enfrentar dez dias de isolamento quando chegam, para evitar a proliferação de doenças. Depp, que viajou com os cachorros em seu jato privado, não cumpriu a lei, sem sequer mencionar a presença dos terriers entre a sua bagagem. O ator desembarcou no mês passado em Brisbane, cidade onde está localizado o set de Os Mortos Não Contam Histórias, quinto episódio da saga do pirata Jack Sparrow, previsto para 2017.

LEIA TAMBÉM:

Jack Sparrow aparece amarrado em primeira imagem de ‘Piratas 5’

Johnny Depp mãos de tesoura: o ator que podou o próprio sucesso

Johnny Depp: reabilitação contra o alcoolismo

Johnny Depp: ‘Brincar de Barbie me ajudou a criar personagens’

“Só porque ele é Johnny Depp, não significa que está isento de cumprir a lei australiana”, disse à imprensa, em tom elevado, Barnaby Joyce, o ministro da Agricultura local. Joyce deu um ultimato ao ator: ou ele manda os cachorros de volta para os EUA até sábado (em 50 horas) ou os animais serão sacrificados. “Existe um processo se você deseja trazer animais, você precisa obter permissões, deixá-los em quarentena e depois resgatá-los. É hora de que Pistol e Boo retornem para os Estados Unidos. Ele pode enviá-los de volta ou nós teremos que sacrificá-los.” De acordo com o ministro, a presença dos cães foi descoberta quando os animais foram vistos com um cuidador.

Não demorou para que fãs de Johnny Depp e amigos dos animais iniciassem uma campanha on-line para salvar Pistol e Boo, que já reúne mais de 3.000 assinaturas. “Tenha compaixão, Barnaby, não mate os cães tão lindos”, afirma a petição, em um apelo direto ao ministro.

Johnny Depp interpreta o capitão Jack Sparrow na saga Piratas do Caribe, que faturou mais de 3,6 bilhões de dólares em todo o mundo com quatro filmes.

(Da redação com agência France-Presse)