Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Arno Wehling ocupará cadeira que era de Ferreira Gullar na ABL

Historiador é professor de Teoria e Metodologia da História da UFRJ e de História do Direito e das Instituições da Unirio

Por Da redação - 9 mar 2017, 18h54

O historiador Arno Wehling, presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), foi eleito na tarde desta quinta-feira para a Academia Brasileira de Letras (ABL). Ele ocupará a cadeira 37, vaga desde a morte do poeta Ferreira Gullar, em 4 de dezembro de 2016. Na eleição desta tarde, Wehling recebeu 18 votos, contra 15 de seu concorrente Antonio Cicero. Houve ainda um voto em branco. Votaram 34 acadêmicos – 23 presentes e 11 por carta.

Antes de Ferreira Gullar haviam ocupado a cadeira 37 Silva Ramos (fundador), Alcântara Machado, Getúlio Vargas, Assis Chateaubriand, João Cabral de Melo Neto e Ivan Junqueira.

Wehling é graduado em História pela Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil e em Direito pela Universidade Santa Úrsula, tendo doutorado em História e Livre Docência em História Ibérica, pela Universidade de São Paulo, e pós-doutorado pela Universidade do Porto. É professor de Teoria e Metodologia da História da UFRJ e de História do Direito e das Instituições da Unirio.

Com a eleição, as 40 cadeiras da ABL ficam ocupadas. Nesta quarta, houve outra eleição, em que o embaixador e escritor João Almino foi escolhido por unanimidade para a cadeira 22, vaga desde a morte do médico Ivo Pitanguy, em 6 de agosto de 2016. No escrutínio votaram 33 acadêmicos: 23 presentes e 10 por carta. Antes de Pitanguy haviam ocupado a cadeira 22 Medeiros e Albuquerque (fundador), Miguel Osório de Almeida e Luís Viana Filho.

Publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade