Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após SP, Alanis Morissette segue com turnê pelo país

Uma resposta à pergunta que fazemos quando artistas chegam à meia-idade artística e perdem a contundência é que nada parece ser mais contrário à criatividade do que o equilíbrio. Justo ou não, a arquibancada do coliseu quer ver sangue, e quando nossos ídolos o estancam, e passam a respirar tranquilamente, o encanto se desfaz. Alanis Morissette encontra-se neste momento em seu novo disco, Havoc and Bright Lights, lançado no Brasil pela LAB 344. Casou-se, teve um filho, e fez canções sobre anjos da guarda e simpatia.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Alanis Morissette mostra seu lado zen em entrevista em SP

“Senti saudade do Brasil”, diz Alanis Morissette em show sem surpresas

O senso comum é que nenhum de seus álbuns chegou aos pés do terceiro, o aclamado Jagged Little Pill, de 1995, responsável por mais de 30 milhões de cópias vendidas, e que sua relevância não passou dos anos 2000. A set-list não discorda, reproduzindo o disco, em shows como o desta segunda-feira, no Credicard Hall, parte da turnê que Alanis faz pelo Brasil neste mês, quase na íntegra. Mas houve, sim, fagulhas de inspiração nesta última década, por mais calcada em uma ideia noventista de rock mainstream que foram — principalmente no último disco, Flavors of Entanglement, feito após um traumático fim de namoro, em que viu o ator Ryan Reynolds a trocar pela atriz Scarlett Johanson.

Canções como Tapes e Straitjacket, se descaradamente cândidas sobre o fim do relacionamento, a ponto de terem letras óbvias e pouco estimulantes, vinham com uma roupagem lúgubre que batia bem com a dor da cantora. Em Havoc and Bright Lights, no entanto, o sol brilha e promete dias melhores. Guardian, faixa de abertura com arranjo puro alt-rock mainstream (pense em Foo Fighters) noventista, traz o refrão: “Eu serei sua guardiã, por toda sua vida. Serei sua guerreira, seu anjo da guarda. Quando você pedir, estarei lá”, o que é impossível de ouvir sem pensar em um choro estridente surgindo na babá eletrônica de Alanis, e a cantora correndo para amamentar o neném.

Alanis, no entanto, discorda que sua maternidade mude sua forma de fazer música. “A paixão está lá, seja ela focada em raiva, ativismo, ou desespero”, respondeu a cantora à reportagem, na segunda-feira, em uma coletiva de imprensa realizada poucas horas antes do show. “A diferença é que o meu lado maternal deixou de aflorar em relacionamentos. Não sou mais a mãe dos meus namorados. Sou a mãe do meu filho”, completou, antes de contar que ela e seu marido, o MC Mario Souleye, têm um estúdio cada em sua casa, gravam discos ao mesmo tempo, e que Havoc and Bright Lights foi feito entre as amamentações do filho, Evre Imre.

A temática materna continua em faixas como Woman Down e Alanis faz o que parece ser uma homenagem ao marido em Win and Win, que narra felicidade conjugal. Assim, tudo segue pelo caminho ensolarado que Alanis busca desde sua viagem espiritual à Índia, em 97.

Seu show, parte da turnê que passa ainda por Curitiba (nesta quarta), Rio (dia 7), Belo Horizonte (9), Recife (12), Belém (14) e Goiânia (16), é mais interessante, em grande parte pela força dos hits de Jagged Little Pill. Tratam-se de relíquias da época áurea do alternativo mainstream, nos anos 1990, quando Alanis reinava nos CD players da molecada.

(Com Agência Estado)