Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Andy McKee, de professor de violão a hit no YouTube

Considerado um dos melhores violonistas da atualidade, o americano se apresenta neste sábado em São Paulo, no Bourbon Street Music Club

Os virtuoses formam um grupo à parte na história da música. Não importa se atuam no campo erudito ou no popular, eles compartilham da mesma energia, velocidade e precisão incomuns ao manejar seus instrumentos. O violonista americano Andy McKee, considerado um dos melhores do mundo na atualidade, é um exemplo de como a era da internet descobre e reconhece os seus virtuoses.

A palavra “gênio” é usada com frequência para designar esses músicos de habilidade extraordinária. É certo que há um dom natural envolvido nesses casos – mas talvez esse dom seja apenas o de se dedicar de maneira infatigável, e mais do que outros, ao estudo de seus instrumentos. McKee, que se apresenta neste sábado no Bourbon Street Music Club, em São Paulo, não é diferente. “Quando eu era adolescente praticava muito. Às vezes chegava a tocar de seis a sete horas por dia”, diz o músico de 35 anos ao site de VEJA. “Mas, na verdade, nunca levei muito como prática, ou trabalho, eu apenas me divertia tocando.”

A diversão começou aos 13 anos, quando ele ganhou sua primeira guitarra e começou a tocar metal, influenciado por bandas como Dream Teather e Pantera. Aos 16, desplugou o cabo do amplificador para se dedicar ao violão. A fama veio acidentalmente aos 27 anos, quando ele postou no YouTube o vídeo da música Drifting – que compõe seu terceiro álbum independente, Art of Motion. “Gravamos o vídeo e colocamos na internet pensando que algumas pessoas se interessariam pelo estilo. Porém, o clipe se tornou um viral e foi incrível”, conta. A iniciativa despretensiosa rendeu um resultado e tanto: hoje, o clipe possui mais de 49,5 milhões de visualizações no canal.

De professor de violão, McKee se transformou em músico com uma agenda intensa de turnês pelos Estados Unidos, Europa, América do Sul e Ásia. Até hoje, o músico diz não entender porque o vídeo teve tamanha repercussão. “Eu estava careca, barbudo e tocando uma música instrumental no violão”, brinca. “Era algo incomum e longe do que costumamos ver no mundo da música pop.”

Em Drifting, Andy McKee mistura a técnica de tocar com as duas mãos no braço do violão, o chamado tapping – muito comum em solos de heavy metal e uma das marcas do guitarrista Eddie Van Halen -, com batucadas no corpo do instrumento, o que dá a impressão de que há mais de uma pessoa tocando.

A fama na internet rendeu a McKee um convite inusitado. No início de 2012, o cantor Prince o chamou para realizar oito shows em parceria durante a perna australiana de sua turnê. “Há dois anos, Prince me ligou dizendo que havia me descoberto no YouTube e eu fiquei: ‘Oh meu Deus, é o Prince!'”, conta. “Quando fizemos os shows na Austrália eu era como um convidado especial na banda e ele sugeriu que cada apresentação começasse apenas com o violão”. Um ano antes, ele já havia se apresentado ao lado de seus ídolos do Dream Teather em uma série de shows na América do Norte e na Ásia.

O músico lançou mais três discos após despontar no mundo virtual, sendo Joyland, de 2010, o último deles. Porém, o disco Art of Motion (2005) continua a ser o principal cartão de visita para seu trabalho na rede. Além de Drifting, as canções Rylynn e Into the Ocean, acumulam hoje cerca de 26,5 milhões e 9 milhões de visualizações, respectivamente, no YouTube.

Público brasileiro – Esta é a segunda passagem de McKee pelo Brasil. O violonista se apresentou por aqui em 2012 e destacou a energia do público local. “O brasileiro tem uma paixão especial e eu adoro essa interação com a plateia, dá para perceber que eles estão realmente se divertindo”, diz. “Às vezes você toca em outros países e o publico é educado demais. Eu gosto quando as pessoas gritam e batem palmas”. A turnê brasileira do violonista começou no dia 17 de maio, quando tocou na cidade de Campinas. Em seguida, McKee passou pelo Rio de Janeiro, no dia 18 – segundo ele foi o melhor show de sua vida -; Belo Horizonte, no dia 20; e Porto Alegre, no dia 23. Após se apresentar em São Paulo neste sábado, ele volta ao Rio no dia 25 para fechar a turnê na cidade de Paraty.