Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Âncora mais famoso da TV americana sai do armário

O jornalista Anderson Cooper enviou um e-mail ao amigo Andrew Sullivan se dizendo muito feliz e orgulhoso consigo mesmo

“O fato é que sou gay, sempre fui, sempre serei”, Anderson Cooper

Âncora mais famoso da televisão americana, o apresentador e jornalista da rede de TV CNN Anderson Cooper, de 45 anos, assumiu a sua homossexualidade nesta segunda-feira. “Não poderia estar mais feliz, satisfeito comigo mesmo e orgulhoso”, disse Cooper em e-mail enviado ao amigo Andrew Sullivan, jornalista do site The Daily Beast que havia lhe pedido para comentar o fato de celebridades estarem saindo do armário.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: O gay agora é pop

Cooper é âncora do programa diário Anderson Cooper 360, exibido pela CNN. “Sempre fui muito aberto e honesto em relação a esta parte da minha vida com meus amigos, minha família e meus colegas. Em um mundo perfeito, acho que isso não é da conta de ninguém, mas acredito que há um valor em se manifestar. Não sou um ativista, mas sou um ser humano”, escreveu o jornalista, que tem, entre os seus objetivos, combater o bullying. “Ainda há muitas incidências de bullying de jovens, assim como discriminação e violência contra pessoas de todas as idades, com base em sua orientação sexual, e acredito que é importante deixar clara a minha posição”, disse ainda o jornalista.

“Embora meu trabalho me torne conhecido publicamente, tenho tentado manter algum nível de privacidade em minha vida, parte disso por motivos puramente pessoais”, escreveu o âncora no e-mail. “Acredito que a maioria das pessoas deseje um pouco de privacidade para si e para os próximos”, acrescentou no texto, publicado no blog The Dish, que o jornalista britânico Andrew Sullivan mantém no site The Daily Beast.

“Ficou claro para mim que, por ter mantido o silêncio em relação a certos aspectos da minha vida pessoal por tanto tempo, passei a impressão errada de que estaria tentando esconder alguma coisa, algo que me deixaria desconfortável, envergonhado ou, até mesmo, amedrontado. Isso é uma pena, porque, simplesmente, não é verdade. O fato é que sou gay, sempre fui, sempre serei.”

(Com agência France-Presse)