Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alexandre Nero e Cássia Kis fazem críticas políticas no ‘Faustão’

Durante entrega do prêmio 'Melhores do Ano', Nero e Tonico Pereira complementaram as opiniões da atriz contra o governo brasileiro

Não foi só de festa o clima entre os famosos que participaram da entrega do prêmio Melhores do Ano, no Domingão do Faustão, neste domingo. Alguns artistas, especialmente a atriz Cássia Kis e os atores Alexandre Nero e Tonico Pereira, todos membros do elenco da novela A Regra do Jogo, fizeram críticas à situação política no Brasil e trocaram farpas veladas entre si.

No encerramento do programa, Faustão pediu a cada artista que falasse sobre os seus desejos para o próximo ano. Depois de muitos pedidos de paz, amor, saúde e esperança entre os famosos, Cássia Kis, uma das candidatas ao prêmio de atriz coadjuvante, avisou que seria “bem política” em seu discurso. “Eu quero que o governo se pergunte finalmente qual é a função dele e por que ele existe”, disse a atriz, que foi se exaltando ao longo da fala. “O nosso presidente é quase nosso empregado. É a nós que ele deve todas as obrigações”.

Leia também:

Empresa de Ronaldo vai agenciar o ‘Comendador’ Alexandre Nero

Com camisa mutante, ‘A Regra do Jogo’ maltrata continuidade

Quando chegou a sua vez de declarar os desejos para 2016, Nero limitou-se a dizer que “a gente precisa de menos opiniões e mais conhecimento”, uma declaração que muitos interpretaram como uma resposta à Cássia. Antes disso, ao receber o prêmio de melhor ator, o intérprete de Romero de A Regra do Jogo já havia falado sobre os problemas políticos no país. “Não é de hoje que isso acontece. O Brasil tem mais de 500 anos. Vamos ter consciência, clareza e tolerância para que a gente possa ouvir ideias diferentes”, disse.

Uma reação mais clara ao discurso de Cássia, no entanto, ficou por conta do também exaltado Tonico Pereira, que concorreu na categoria ator coadjuvante. Após pedir mais trabalhos para “pagar as dívidas”, o ator convocou uma “câmara dos deputados que represente verdadeiramente o povo brasileiro”. “A culpa não está sempre no Executivo. Nós temos uma quadrilha na câmara dos deputados e é dela que temos que tratar.”

(Da redação)