Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aguinaldo Silva: ‘Público vai torcer pela mocinha de ‘Império”

Autor do folhetim que estreia nesta segunda-feira aposta na protagonista batalhadora e em vilãs determinadas para levantar a audiência do horário

Ser escalada como mocinha da novela das nove da Globo não tem sido o melhor presente que um autor pode dar às atrizes da casa. Nas últimas duas tramas que foram ao ar, Em Família, que terminou na última sexta-feira, e Amor à Vida, as protagonistas Helena (Júlia Lemmertz) e Paloma (Paolla Oliveira), respectivamente, sofreram grande rejeição por parte do público. Enquanto Helena era ressentida demais com o passado e não seguia em frente com a sua vida, Paloma se afundava na ingenuidade e parecia incapaz de enxergar as mais simples armações do ótimo vilão Félix (Mateus Solano). Aguinaldo Silva, autor do novo folhetim das nove, Império, que estreia nesta segunda-feira, promete anular a “maldição da mocinha” com a sua Cristina (Leandra Leal).

Leia também:

Alexandre Nero vive o “sonho brasileiro” em ‘Império’

Viviane Araújo é musa inspiradora e atriz em ‘Império’

“Ela tem um objetivo muito claro, que é manter sua família unida. O irmão está preso, o sobrinho vai embora, a tia é uma louca varrida e quer que o circo pegue fogo”, afirma Aguinaldo em entrevista ao site de VEJA. Mas Cristina é apenas um dos destaques da novela. Ela divide espaço com as vilãs Cora (Drica Moraes) e Maria Marta (Lilia Cabral) e o anti-herói José Alfredo (Alexandre Nero), o protagonista que evolui de garimpeiro a dono multimilionário de uma rede de joalherias.

Leia também:

Personagem gay agora é bom negócio para qualquer ator

Aguinaldo Silva volta a assinar um folhetim três anos depois de Fina Estampa (2011), sua última novela na Globo. Desde então, o panorama da emissora nesse setor mudou bastante, principalmente após o sucesso estrondoso de Avenida Brasil (2012), e o fracasso de suas sucessoras, Salve Jorge, Amor à Vida e Em Família. O capítulo final da última, inclusive, obteve a menor audiência para o fim de novela das nove na Globo. Com sua mocinha, suas vilãs e seu anti-herói, Aguinaldo chega com a missão de salvar a audiência no horário.

Confira a entrevista de Aguinaldo Silva ao site de VEJA.

O público se acostumou com tramas ágeis, principalmente por causa da influência de séries americanas. Como adequar o modelo da novela, que costuma ser mais lento, ao que o público espera? Como o senhor vai trabalhar esse aspecto em Império? Sempre fui um autor que privilegia as tramas. Em Império isso não será diferente. Acredito que o público continua gostando de novelas, mas com certeza a forma como ele está consumindo esse tipo de produto de entretenimento está mudando. Atualmente a vida das pessoas é bem mais corrida e é importante que a dramaturgia acompanhe esse processo.

Após duas novelas com mocinhas insossas – Helena de Em Família e Paloma de Amor À Vida -, você promete uma heroína forte. O que a Cristina tem de diferente? A Cristina (Leandra Leal) será o personagem por quem as pessoas vão torcer, porque ela tem um objetivo muito claro, que é manter a sua família unida apesar de todos os percalços pelos quais ela passa. O irmão (Elivaldo) está preso, o sobrinho (Victor) vai embora, a tia (Cora) é uma louca varrida e quer que o circo pegue fogo constantemente. Quando ela descobre que pode ser filha do Imperador dos diamantes (José Alfredo), a situação se complica muito, pois ela tem medo do que pode acontecer se a paternidade for comprovada. As vidas dessa moça e de sua família podem mudar completamente.

Em duas novelas recentes, Amor À Vida (2013) e Avenida Brasil (2012), os vilões roubaram a cena e conquistaram a torcida do público. Na sua opinião, por que isso aconteceu? E como serão as suas vilãs, Maria Marta e Cora? Em uma trama, todos os personagens são importantes, mas acredito que os vilões conquistem boa parte do público porque são os responsáveis por diversas reviravoltas que ocorrem na história. Maria Marta e Cora serão mulheres fortes e extremamente determinadas. Serão personagens que vão mostrar desde o início o que querem e onde pretendem chegar.

O personagem José Alfredo (Alexandre Nero) foi descrito como o anti-herói da trama. Acha que ele vai conquistar o público? Acredito que vai sim justamente porque ele se aproxima das pessoas reais: batalha muito para conquistar as coisas, aos trancos e barrancos e aos erros e acertos.

Império terá um núcleo cômico? Quem será seu protagonista? Minhas cenas costumam ter uma pitada de humor, mesmo que seja em uma discussão, como o público poderá ver nas conversas entre o casal protagonista, por exemplo. O salão de Xana Summer, interpretado por Aílton Graça, talvez seja o local onde o humor esteja mais presente, pois os personagens são muito alegres e animados.

Para o senhor, o que explica a queda de audiência das novelas da Globo e, em especial, da faixa horária das 21 horas? De alguns anos para cá, a forma como o público consome os produtos de entretenimento, seja novela, filmes, livros e séries, mudou muito. Atualmente temos outros tipos de mídias e plataformas de exibição, na internet, no celular… Tudo isso interfere na medição da audiência da televisão.