Clique e assine a partir de 9,90/mês

Advogados querem levar Daniel de volta para o BBB

Representantes do modelo eliminado por suspeita de abuso sexual acusam Rede Globo de racismo

Por Cecília Ritto - 19 jan 2012, 14h38

Os advogados do modelo Daniel, expulso do Big Brother Brasil por suspeita de abuso sexual contra a participante Monique, querem que seu cliente volte ao programa. Em entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, no Rio de Janeiro, o advogado Wilson Matias, que representa o modelo, disse que seu cliente teme pela própria vida e que tem ficado no máximo de dois a três dias em cada lugar, para evitar ser vítima de represálias.

“Desafio (Pedro) Bial e Boninho a dizerem em que momento ele infringiu as regras do programa”, disse Matias, que acredita que Daniel esteja sendo vítima de racismo – assim como afirmou o diretor Boninho no início das acusações contra Daniel, nas redes sociais.

Os advogados do modelo Daniel: acusações de racismo contra a Globo e pedido para que o cliente volte ao BBB
Os advogados do modelo Daniel: acusações de racismo contra a Globo e pedido para que o cliente volte ao BBB VEJA

Matias, curiosamente, tenta resolver a questão misturando regras do programa com o Código Penal, e extraindo daí uma resultante que colocaria Daniel de novo no centro da popularidade gerada pelo Big Brother Brasil. “Por que a produção do programa permitiu que aquela cena continuasse? Por que não fez nada para impedir, se havia algo que fere as regras do programa?”, perguntou o advogado.

Daniel não participou da coletiva. Segundo seus representantes, ele estava próximo do escritório, no centro do Rio, em um carro com vidros protegidos por película escura, aguardando um posicionamento da Rede Globo sobre a possibilidade de dar entrevista a outros veículos de comunicação. A multa, segundo os advogados, para o caso de descumprimento da exclusividade com a Globo, é de 1,5 milhão de reais – mesmo valor do prêmio do BBB.

Continua após a publicidade

Os advogados usam também elementos do depoimento de Monique à Polícia Civil para defender Daniel. Segundo Matias, a suposta vítima afirmou que não houve sexo, apenas carícias consensuais. “Se fosse com o Jonas, não haveria expulsão. Daniel foi eliminado por ser descendente de africanos”, acusou.

Tentativa – Os advogados contratados pelo ex-BBB vão tentar, na sexta-feira, feriado de São Sebastião, no Rio de Janeiro, entrar com um pedido de reconsideração da decisão da Globo. A medida é extrajudicial, e tentará fazer a emissora mudar radicalmente a condução do caso – o que é improvável.

Publicidade