Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Adam Sandler comanda criminosos trapalhões em filme do Netflix. Veja trailer

Primeira comédia produzida pelo serviço de streaming, ‘The Ridiculous 6’ estará disponível a partir do dia 11 de dezembro

Cena de ‘The Ridiculous 6’, comédia original da Netflix Cena de ‘The Ridiculous 6’, comédia original da Netflix

Cena de ‘The Ridiculous 6’, comédia original da Netflix (/)

O Netflix divulgou nesta terça-feira o trailer oficial de seu novo filme original, The Ridiculous 6, que chega ao serviço de streaming no dia 11 de dezembro. A comédia é o segundo longa produzido pela empresa, que já tem Beasts of No Nation, disponível desde 16 de outubro. A trama gira em torno de alguns bandidos de velho oeste, comandados por Faca Branca (Adam Sandler), que reúne seus cinco irmãos para montar um grupo de mercenários. O vídeo mostra que a atrapalhada família não leva o menor jeito para o crime.

LEIA TAMBÉM:

Adam Sandler fará quatro filmes para o Netflix

Primeiro filme original da Netflix já tem data de estreia

Produção de Adam Sandler para Netflix é acusada de racismo

As razões para a derrocada da carreira de Adam Sandler

O elenco ainda conta com Terry Crews (As Branquelas), Jorge Garcia (Lost), Taylor Lautner (Crepúsculo), Rob Schneider (Gente Grande), Luke Wilson (Legalmente Loira), e Nick Nolte (Além da Linha Vermelha).

A produção foi notícia em abril deste ano, quando doze atores indígenas abandonaram as gravações, acusando o filme de promover racismo contra a cultura Apache, isto é, dos nativos americanos. Segundo os artistas, o longa possui piadas depreciativas contra os índios, como personagens com nomes tolos como Bafo de Castor (Beaver’s Breath) e Sem Sutiã (No Bra).


O filme é o primeiro de um conjunto de quatro produções do Netflix que serão estrelados por Sandler, que firmou contrato com o serviço de streaming no ano passado. Além de atuar, o ator também assina, junto com Tim Herlihy (O Paizão), o roteiro de The Ridiculous 6. A empresa ainda tem mais longas originais para lançar, Pee-Wee’s Big Holiday e O Tigre e o Dragão: The Green Legend, que ainda não têm datas para serem lançados, mas estarão no catálogo em 2016.

Parado no tempo

Aos 48 anos, Adam Sandler parece interpretar o mesmo personagem “jovem-adulto” dos filmes que lhe deram sucesso no final dos anos 1990 e início da década seguinte, como O Rei da Água (1998), O Paizão (1999) e A Herança de Mr. Deeds (2002), longas que juntos arrecadaram 592 milhões de dólares em todo o mundo. Quando tentou fazer papeis mais sérios como em Homens, Mulheres e Filhos (2014) e Tá Rindo do Quê (2009), a arrecadação decepcionou. O primeiro fez apenas 2,2 milhões de dólares ao redor do mundo, e o segundo, que custou 75 milhões, arrecadou 71,5 milhões de dólares. 

Sandler para menores

Com o tempo, o mote das comédias mudou e ficou, digamos, mais adulto. Houve, por exemplo, uma leva de longas que tratavam de “bromance” – a quase colorida amizade entre homens — graças ao diretor Judd Apatow. Amigo de Sandler, Apatow dirigiu filmes como O Virgem de 40 Anos (2005) e Ligeiramente Grávidos (2007), ambos classificados para maiores de 18 anos nos Estados Unidos. O problema é que Sandler não conseguiu se inserir nesses filmes mais “adultos”. Quando ele se arrisca em longas com classificação para maiores de idade, a bilheteria fica aquém do esperado, como em Este É o Meu Garoto (2012), que custou 70 milhões de dólares e arrecadou só 57 milhões em todo o mundo.

Diga com quem andas…

Parcerias repetidas nos cinemas são comuns, como as de David O. Russel e Jennifer Lawrence e de Martin Scorsese e Leonardo DiCaprio. Mas, no caso de Sandler, isso não tem sido muito bom. Ele atua frequentemente com as mesmas pessoas e dá a impressão de sempre fazer os mesmos filmes.  Os atores Rob Schneider (Como se Fosse a Primeira Vez) e David Spade (Gente Grande) são alguns dos “amigões” de Sandler que regularmente aparecem em seus filmes, mesmo que para fazer uma ponta. Ao lado do roteirista Norm MacDonald (Trabalho Sujo), outro constante parceiro, o trio vai atuar em The Ridiculous Six, filme produzido pela Netflix que já foi acusado de racismo.

Comunicação ruim

Celebridades como Joaquin Phoenix e Robert Downey Jr. têm certa aversão à imprensa. Mas, no caso de Sandler, o caso parece patológico. Irritado com as críticas a seus longas — normalmente justas –, o ator estabeleceu uma política de não dar entrevistas, além de ignorar revistas e jornais no lançamento de um filme. Hoje as redes sociais permitem que ele crie um canal direto com os fãs, sem intermédio da imprensa, mas ele tampouco liga para isso. Sandler deixa seus perfis sob a responsabilidade de outras pessoas, tornando-os plataformas de publicidade e não de comunicação.

Ele estagnou na zona de conforto

Não se pode dizer, contudo, que Sandler não tentou mudar. No início dos anos 2000, ele se arriscou em filmes que fogem do seu padrão de comédia ao se juntar com diretores de renome. Ao lado de James L. Brooks, vencedor do Oscar de melhor diretor por Laços de Ternura (1983), ele atuou em Espanglês (2004), sobre uma imigrante mexicana que chega aos Estados Unidos com sua filha e trabalha para a família do personagem de Sandler. Em Embriagado de Amor (2002), o ator foi dirigido por Paul Thomas Anderson, indicado ao Oscar de melhor diretor neste ano por Vício Inerente (2014). Mas isso foi tudo. Desde essas duas parcerias, Sandler não saiu da zona de conforto. Para a sorte dele, bilheteria não será uma obrigação para The Ridiculous Six, que a Netflix lança em dezembro. Isso o deixará mais tranquilo, já que assinou com a empresa para realizar mais quatro filmes.

(Da redação)