Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Universidade americana inaugura escritório em São Paulo

Objetivo é orientar estudantes que desejam cursar graduação e pós-graduação nos EUA, além de expandir parcerias com universidades brasileiras

A Universidade do Sul da Califórnia (USC), sediada nos Estados Unidos, anunciou nesta terça-feira a abertura de seu primeiro escritório no Brasil, localizado na cidade de São Paulo. O objetivo é orientar estudantes brasileiros que desejam cursar graduação ou pós-graduação na instituição americana, além de garantir a expansão de acordo de cooperação acadêmica e pesquisa com universidades e institutos brasileiros. É o primeiro escritório da universidade na América Latina.

Leia também:

Fapesp pode dobrar número de projetos com parceria estrangeira

O desembarque da USC no Brasil já começou a dar frutos. Na segunda-feira, foi firmado um convênio com a Universidade de São Paulo (USP), que engloba o intercâmbio de estudantes, professores e pesquisadores. A USP também se tornou parceira da iPodia Alliance, aliança acadêmica mundial na área de engenharia. Liderado pela USC, o projeto inclui a Universidade de Pequim, a Universidade Nacional de Taiwan, o Instituto de Tecnologia de Israel, o Instituto de Ciência e Tecnologia Avançada da Coréia do Sul e a Universidade de Aachen, da Alemanha. A USP é a primeira universidade sul-americana a fazer parte do projeto.

Ainda na segunda-feira, USC e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), divulgaram a segunda chamada de propostas no âmbito do acordo de cooperação científica assinado em 2012. A primeira chamada aprovou, em agosto do ano passado, quatro projetos em colaboração entre cientistas da USC e de universidades do estado de São Paulo. Já a segunda chamada prevê o investimento de até 20.000 dólares por ano de financiamento a cada um dos projetos selecionados pelas duas instituições.

Leia mais

A universidade das soluções

‘Brasil não está na periferia do saber’

A universidade busca jovens líderes no Brasil

Brasileiros já são 10% dos calouros estrangeiros

‘As universidades precisam formar sábios’