Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Queda da USP em ranking é “revés para imagem do Brasil”, diz especialista

Para voltar a ter destaque, instituições brasileiras precisam apostar na excelência, ampliar a colaboração internacional e a publicação de pesquisas em jornais consagrados

Por Gabriela Loureiro
2 out 2013, 17h48

A queda da Universidade de São Paulo (USP) no ranking da publicação britânica Times Higher Education (THE), mais importante avaliação de instituições de nível superior do mundo, é um revés para a imagem do Brasil, afirma Elizabeth Gibney, especialista da THE que analisa o sistema educacional brasileiro. Na entrevista a seguir, ela detalha as razões da queda: redução em indicadores como reputação e proporção entre doutores e graduandos. Para voltar a ter destaque no ranking – a USP ocupou a 158º posição na lista do ano passado, passando a algum posto entre o 226º e o 250º lugares -, as instituições brasileiras precisam, na visão da especialista, apostar na excelência, ampliar a colaboração internacional e a publicação de pesquisas em jornais consagrados internacionalmente. “Um país com o tamanho e poder econômico do Brasil precisa ter mais universidades de nível global para o crescimento com base em inovação”, diz Elizabeth.

Leia também:

USP cai em ranking e Brasil deixa elite universitária global

Qual é o motivo da queda da USP? O desempenho da universidade caiu em muitos indicadores. É o caso da proporção entre doutores e alunos da graduação, um dos dados que usamos para descrever quão intenso é o conhecimento no ambiente de aprendizagem, além do número de doutorados premiados por equipe acadêmica, o que dá uma noção do comprometimento da instituição com a próxima geração de acadêmicos. O desempenho da USP nos indicadores de reputação também caiu.

Além da USP, a Unicamp também perdeu várias posições no ranking. Existe uma ligação entre a queda das duas universidades? As fraquezas da Unicamp são parecidas com as da USP, com o indicador de renda institucional por equipe acadêmica, o que dá uma noção ampla da infraestrutura disponível para os alunos. O Brasil evoluiu consideravelmente nos anos recentes, trabalhando duro para internacionalizar suas melhores instituições e pesquisas. Podemos estar diante de uma desaceleração natural, já que agora são necessários mais esforços para conseguir ganhos menores, enquanto outras universidades do mundo evoluem rapidamente.

Continua após a publicidade

Como a queda das universidades no ranking afeta a imagem do país? É um revés para a imagem do país e seu sistema educacional. Um país com o tamanho e poder econômico do Brasil precisa ter mais universidades de nível global para o crescimento com base em inovação.

O que o Brasil precisa fazer para galgar posições nos rankings? Possuir mais instituições de excelência elevará o nível do perfil do país como um todo. Ampliar a colaboração internacional e a publicação de pesquisas em jornais consagrados internacionalmente também ajudarão a melhorar a posição de instituições brasileiras nos rankings, bem como aumento do número de estudantes de doutorado. Investimento sustentável também é chave.

Um dos destaques deste ano é a decadência de várias universidades europeias. Qual é a razão disso? Os fundos para educação superior e pesquisa em muitos países da Europa enfrentaram dificuldades para acompanhar os de outros lugares no mundo, com o orçamento permanecendo estático em muitas nações. Então, o acirramento da competição empurra as melhores da Europa para baixo.

Enquanto a Europa desce, a China continua a crescer vertiginosamente nos rankings. Por quê? Duas das melhores universidades da China subiram nos rankings neste ano, com movimentação para cima e para baixo nas oito instituições fora do grupo das duzentas melhores. A posição da China nos rankings certamente evoluiu nos últimos anos, o que podemos atribuir aos esforços para aumentar os fundos para educação superior e pesquisa, particularmente dirigidos para instituições específicas de alto nível. As universidades chinesas têm se aberto cada vez mais para acadêmicos estrangeiros e colaboradores internacionais. Neste ano, de fato, a China mostrou progressos fortes nos indicadores de internacionalização.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.