Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Professores usam videogame para estimular alunos

Antes tidos como "rivais" da escola, jogos digitais têm se popularizado

“Pessoal, hoje vamos trabalhar com o videogame”, diz o professor Daniel Veras a uma turma de 7.ª série da Escola Estadual Oscar Thompson, em São Paulo. É dia de educação física e o aviso quebra a sonolência da primeira aula da manhã. O tema é atletismo e, em poucos minutos, os alunos disparam perguntas sobre o peso do martelo, a distância viajada pelo dardo e recordes.

Leia também:

Tecnologia pode ajudar na educação

Beakman diz como atrair as crianças para a ciência

Wii U, novo console da Nintendo, chega no Natal

Videogames melhoram atenção visual, mostra pesquisa

Tradicionalmente vistos como “rivais” da escola, jogos digitais vêm se popularizando como uma ferramenta para educadores e aliados das aulas de educação física ao ajudar alunos a conhecer novos esportes e driblar a falta de recursos para tratar de alguns conteúdos previstos no currículo escolar. Embora com ressalvas, os benefícios são atestados por cientistas. O trabalho encontra respaldo na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que garante aos professores liberdade didática.

Foi pesquisando métodos para aplicar conteúdos como saltos e arremessos do atletismo que o professor Veras decidiu inovar – sem deixar as atividades em quadra e o conteúdo da apostila em segundo plano. “Se na escola a gente não tem como vivenciar um salto em altura, arranjamos um jeito”, explica. “Os alunos não tinham noção de como funcionavam algumas modalidades e se empolgaram.” A ideia, esclarece ele, era “suprir a necessidade de materiais e espaço” para aplicar o conteúdo previsto na apostila. “O comportamento melhorou e percebi os alunos mais confiantes”, afirma.

No Colégio Maxwell, escola particular da zona norte paulistana, o professor Marcos Neves também tira proveito da familiaridade dos alunos com videogames para trabalhar modalidades que vão do futebol de rua à capoeira. Os benefícios, segundo ele, vão muito além do aprendizado. “Alunos que antes se recusavam a participar das dinâmicas de exercícios físicos, mostraram-se mais sociáveis”, observa.

Na escola municipal Raimundo Correia, em São Miguel, na zona leste de São Paulo, o tae-kwon-do foi a porta de entrada dos videogames nas aulas do professor Jorge Júnior. Praticante da arte marcial, ele deu início a um programa cujo conteúdo eram lutas. “Até alunos que não participavam das atividades mostraram maior interesse”, considera. “É algo da cultura juvenil e, se a escola exclui essas tecnologias, fica mais distante dos alunos”, opina.

(Com Agência Estado)

Leia também:

Tecnologia pode ajudar na educação

Beakman diz como atrair as crianças para a ciência

Wii U, novo console da Nintendo, chega no Natal

Videogames melhoram atenção visual, mostra pesquisa