Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Professores da rede estadual mantêm greve e protestam no centro de SP

Docentes tomaram a decisão em assembleia realizada na tarde desta sexta-feira no vão livre do Masp

Os professores da rede estadual de São Paulo aprovaram na tarde desta sexta-feira a permanência da greve que teve início na segunda, dia 16. Sob chuva intensa, os docentes tomaram a decisão em assembleia no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Depois da reunião da assembleia, que reuniu cerca de 1.500 pessoas, segundo a Polícia Militar, eles seguiram em marcha pela Avenida Paulista. Por volta das 16h25, o ato chegou à Rua da Consolação, interditando o sentido centro. Parte dos comerciantes preferiu fechar as portas, o que causou reação da presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp). “Nunca houve nenhuma depredação em nossas marchas. Aqui estão educadores, professores, alunos e diretores”, disse Izabel Noronha.

Leia também:

Primeiro dia de greve na rede estadual de ensino de SP tem adesão baixa

A estimativa da presidente da Apeoesp é de que 40 mil professores participem do ato. “Mas se usarem os critérios de domingo, vão dizer um milhão”, ironizou, em referência ao ato contra a corrupção e o governo Dilma que ocorreu no domingo. Diversos ônibus de cidades do interior deixaram os grevistas em áreas próximas ao local. A maioria usa capas plásticas para se proteger da chuva e o trânsito é intenso na região.

Segundo a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), os professores reivindicam aumento salarial de 75,33%, redução da jornada de trabalho, mudança na contratação de professores temporários, disponibilidade de água nas escolas e fim das salas superlotadas – os docentes querem um máximo de 25 alunos por sala. O governo estadual alega que o salário dos docentes, de R$ 2.415,89, é 25% superior ao piso nacional, de 1.917,78.

Em nota, a Secretaria da Educação orienta que todos os estudantes da rede estadual compareçam normalmente às escolas e diz que a decisão da Apeoesp não representa os mais de 230 mil professores da rede.

(Com Estadão Conteúdo)