Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

No apagar das luzes, reitor da Unifesp faz nova licitação

Edital eleva em 26% gastos para construção de edifício do campus de Guarulhos que deveria ter sido entregue em 2010

Após três tentativas frustradas de construir o edifício central do campus de Guarulhos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que deveria ter sido entregue em 2010, o reitor da instituição, Walter Albertoni, pretende assinar no apagar das luzes de seu mandato o contrato para a construção do prédio. O novo edital teve aumento de 26%, elevando o custo da construção para 58 milhões de reais. A contratação neste momento atrapalha, segundo professores, o debate sobre a possível mudança do local do campus.

Leia também:

Pela quarta vez, Unifesp tenta construir edifício

Reitor confirma saída de diretor da Unifesp Guarulhos

Unifesp Guarulhos não deve ter calouros em 2013

Fracassa licitação para construção de prédio da Unifesp Guarulhos

Reuni: atraso em obras ameaça excelência da Unifesp

Três empresas entregaram na segunda-feira o documento para habilitação, o primeiro passo para a construção do prédio. Caso a documentação atenda às especificações que a universidade exige, os envelopes com os valores serão abertos. Em agosto, um edital de 46 milhões de reais fracassou porque nenhuma empresa apresentou interesse oficialmente. Depois do esvaziamento, a reitoria as convidou para debater alterações – o que já havia ocorrido na primeira vez em que o edital para a obra não foi para frente.

Segundo o reitor, conduzir o processo para a construção do edifício é prioridade de seu mandato, que vai até fevereiro. “Caso o processo de licitação ocorra sem intercorrências, a contratação será realizada ainda nesta gestão”, afirmou, em nota. Em audiência pública, neste mês, ele declarou que a Unifesp continua em Guarulhos, a despeito do debate entre os professores.

O campus de Guarulhos, que abriga a Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH), foi inaugurado em 2007. Desde então, alunos, professores e funcionários aguardam infraestrutura adequada. Neste ano, alunos fizeram greve de cinco meses para exigir melhorias. A obra – planejada com 20.000 metros quadrados, 44 salas de aula, 22 gabinetes de pesquisa, refeitório e biblioteca – deveria ter sido entregue no segundo semestre de 2010. Dessa forma, acabaria com os problemas de infraestrutura do campus.

Atualmente, 2.800 estudantes de graduação, 200 de pós-graduação e 200 professores contam com apenas 24 salas de aula. O número é insuficiente. Por isso, a universidade ocupa 14 salas de um CEU, unidade destinada à educação infantil, cedidas pela Prefeitura de Guarulhos.

A unidade fica no Bairro dos Pimentas, periferia de Guarulhos. Em agosto, um grupo de professores encaminhou à reitoria um dossiê exigindo a saída da escola do local. O documento diz que a unidade é isolada geográfica e culturalmente. Além de dificultar o acesso, colaborando para os altos índices de abandono dos cursos, a localização prejudicaria as pretensões de excelência que constam no projeto pedagógico da escola.

Após o dossiê, a congregação da escola aprovou a criação de uma comissão para debater a permanência. Foi aprovada uma consulta a alunos, professores e funcionários. O início da construção do prédio, porém, pode tornar o debate inócuo, pois consolidaria de vez a escola nos Pimentas.

Para o professor Glaydson José da Silva, diretor da EFLCH e presidente da Comissão que discute a Unifesp nos Pimentas, a assinatura do contrato atrapalha. “O reitor nunca acolheu a discussão sobre a permanência, por isso deu continuidade ao trâmites”, diz ele. Alguns professores defendem uma saída parcial dos Pimentas. “É determinante que se esclareça: o que está em questão é a permanência da EFLCH e não da Unifesp em Guarulhos.” O professor de Filosofia Juvenal Savian ressalta que cabe à unidade definir sobre seu futuro. “A atitude (de assinatura do contrato) não reconhece o fato ético-político legitimamente criado pela Congregação da EFLCH.”

(Com Estadão Conteúdo)

Leia também:

Pela quarta vez, Unifesp tenta construir edifício

Reitor confirma saída de diretor da Unifesp Guarulhos

Unifesp Guarulhos não deve ter calouros em 2013

Fracassa licitação para construção de prédio da Unifesp Guarulhos

Reuni: atraso em obras ameaça excelência da Unifesp