Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MEC assegura gratuidade de cursos de graduação e pós-graduação

O texto é motivado pela repercussão da Proposta de Emenda Constitucional (PEC), em tramitação no Congresso, que busca regulamentar a cobrança em cursos de extensão, mestrado e pós-graduação lato sensu nas instituições estaduais e federais

Nesta quarta-feira, o Ministério da Educação (MEC) divulgou nota nesta afirmando que as universidades públicas do País continuarão gratuitas. O texto é motivado pela repercussão da Proposta de Emenda Constitucional (PEC), em tramitação no Congresso, que busca regulamentar a cobrança em cursos de extensão, mestrado profissional e especialização e pós-graduação lato sensu nas instituições estaduais e federais.

Leia também:

MEC anuncia novo nome para órgão que regula instituições de ensino superior

Governo suspende novas bolsas de estudo no exterior

“A proposta não muda em nada a gratuidade nas universidades públicas”, diz a nota. Segundo o novo ministro, Mendonça Filho, “qualquer informação diferente desta é falsa”. Em seguida, porém, o MEC diz que a gratuidade está garantida apenas para cursos de graduação e pós-graduação acadêmica (mestrado e doutorado). “Para cursos de extensão, pós-graduação lato sensu e mestrado profissional, as instituições, segundo a proposta, (as universidades), teriam autonomia para decidir pela cobrança ou não”, diz comunicado.

O ministério cita que a cobrança, nesses casos, já “é prática” em instituições renomadas de educação superior, como a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Destaca, também, que a “não obrigação” da gratuidade nessas modalidades de ensino está prevista em parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) de 2002. Segundo o parecer, graduação e pós-graduação stricto sensu ministradas pelas universidades públicas devem ser gratuitas, “em expresso cumprimento ao dispositivo constitucional”.

O texto do parecerer segue, no entanto, esclarecendo que cursos de especialização e aperfeiçoamento “não se configuram como atividade de ensino regular” e, por isso, é “correta a cobrança efetuada pelas universidades públicas pelos instrumentos que, no exercício de sua autonomia constitucional, definirem.”

Mendonça Filho, enquanto deputado federal (DEM-PE) foi a favor da aprovação da PEC na votação em primeiro turno. Ainda é necessária a votação em segundo turno antes da proposta ser encaminhada ao Senado.

Em vídeo publicado na última terça-feira, no portal do MEC, o ministro afirma que, em se tratando de graduação e mestrado e doutorado acadêmicos, “não há nenhuma possibilidade” de que o ministério “venha a patrocinar ou discutir a questão de pagamentos em universidades”.

(Com Estadão Conteúdo)