Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Leitura de contos de fadas faz bem para as crianças

Livro defende que histórias mostram às crianças a força e a fraqueza humanas

Por Da Redação - 15 mar 2011, 13h09

Esconder dos seus filhos histórias clássicas como Branca de Neve e Rapunzel pode não ser uma boa ideia. De acordo com um livro lançado na Grã-Bretanha, não há porque se preocupar com os estereótipos presentes nos contos de fadas: eles escondem lições de moral importantes para o desenvolvimento das crianças.

Sally Goddard Blythe, autora de The Genius of Natural Childhood, argumenta que essas histórias nutrem um comportamento moral e mostram às crianças a força e a fraqueza da espécie humana ao constrastar o bem e o mal, o pobre e o rico, a vaidade e a valentia. Embora os contos de fadas abordem temas difíceis, como a morte de um pai em Cinderela, eles preparam para a vida no mundo real, opina Blythe.

“Longe de demonizar os anões, a história da Branca de Neve mostra que, apesar das diferenças físicas, existe bondade e generosidade”, escreve a autora em seu livro, acrescentando que, em uma sociedade onde a riqueza e beleza são celebradas, essa pode ser um importante lição a ser aprendida. “Essas histórias não são crueis e discriminatórias. Elas ajudam a entender as peculiaridades e as fraquezas do comportamento humano em geral, além de aceitar muitos dos seus próprios medos e emoções.”

Os esforços da escritora em mostrar os benefícios dos contos de fadas parecem ter um motivo. Uma pesquisa realizada com 3.000 pais britânicos mostrou que um quarto deles rejeitava algum tipo de conto de fadas por acreditar que os contos não eram politicamente corretos. Ainda segundo a pesquisa, os pais acreditam que histórias como Cinderela e Rapunzel podem causar algum trauma emocional nas crianças.

Publicidade