Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Faça um balanço de sua carreira em 2013. E planeje as mudanças para 2014

Trio de especialistas convidados por VEJA.com dá orientações e propõe estratégias para a vida profissional

Por Lecticia Maggi
21 dez 2013, 07h21

O fim do ano é, por tradição, época de realizar balanços pessoais e estabelecer novos objetivos para os doze meses que virão. Esse exercício de contabilidade inclui, é claro, a vida profissional. É hora de analisar a carreira, identificar ganhos e perdas e traçar metas para 2014. Para ajudar nessa tarefa, VEJA.com elaborou um guia que pretende orientar os leitores a fazer um balanço de sua situação profissional e planejar mudanças.

O passo a passo foi produzido a partir de orientações fornecidas por um trio de especialistas no assunto: Bruna Dias, gerente de carreiras da empresa de seleção e recrutamento Cia de Talentos, Eduardo Ferraz, consultor em gestão de pessoas e autor do livro Seja a Pessoa Certa no Lugar Certo, e Bianca Trombelli, coach de carreira.

Teste Vocacional: descubra as carreiras que têm mais a ver com você

Teste: dinheiro, aprendizado, segurança? Descubra qual a sua motivação

“É comum as pessoas chegarem ao fim do ano com questionamentos: ‘O que fiz de bom? Será que foi um ano produtivo para a minha carreira?’ O problema é que, muitas vezes, as respostas não são satisfatórias e se repetem ano após ano”, afirma Bianca. “Muitos profissionais esperam que o chefe ou a empresa resolva sua situação e, assim, acabam entregando a outro a responsabilidade por sua carreira. É um erro. Comece agora a pensar o que você pode fazer para alcançar os seus objetivos.” Confira a seguir as orientações dos especialistas:

Os especialistas dão uma orientação adicional: cuidado com as comparações. Nesta época, multiplicam-se as confraternizações entre familiares, amigos e colegas e, com elas, podem vir também frustrações. “As pessoas encontram aquele amigo que não viam havia meses, que tem a mesma formação acadêmica, mas está ganhando o dobro. Resultado: sentem-se inferiorizadas”, afirma Bruna. “Ninguém deve subestimar seu desempenho profissional apenas porque ganha menos do que um amigo.”

Continua após a publicidade

Tão intuitivas quanto inevitáveis, as comparações podem ser benéficas quando bem utilizadas. A coach de carreira Bianca Trombelli explica que, às vezes, olhar para um colega que teve oportunidades parecidas, mas está em uma situação melhor, pode ser um incômodo necessário – aquele famoso “empurrão” que faltava. “A comparação é positiva quando serve de inspiração: ao observar o outro, percebo que preciso mudar minha postura para avançar mais rápido na carreira”, diz.

Leia também:

As carreiras mais promissoras para os próximos dez anos

Continua após a publicidade

Os 10 postos de trabalho mais difíceis de preencher no Brasil

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.