Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Estudantes da Coreia do Sul são campeões do letramento digital

Segundo relatório da OCDE, eles são mais capazes de encontrar informações relevantes na rede

Por Nathalia Goulart - 28 jun 2011, 14h24

Os estudantes sul-coreanos são os mais “letrados digitalmente”, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça-feira pela OCDE, organização que reúne os países mais desenvolvidos do mundo, com base na avaliação internacional Pisa. Isso significa que esses estudantes são mais capacitados a navegar com eficiência pela internet, escolher as melhores fontes de pesquisa e selecionar os melhores textos disponíveis na rede.

Dezessete por cento dos alunos sul-coreanos obtiveram desempenho máximo no teste aplicado pela OCDE. Percentual pouco inferior foi obtido pela Nova Zelândia e Austrália, que estão na segunda e terceira posições do ranking, respectivamente. Na outra ponta, aparecem Áustria, Polônia e Chile. Nesses três países, menos de 3% dos estudantes conseguiram desempenho máximo.

“A navegação é um componente crucial para o letramento digital. Entretanto, os resultados do Pisa mostram que um significativo número de estudantes não consegue localizar sites importantes, mesmo quando há um guia claro para isso”, alerta a organização. A pesquisa foi realizada em 19 países e não inclui o Brasil.

Entre todos os estudantes entrevistados, 80% disseram que usam a internet com frequência para se divertir, realizando tarefas como baixar músicas e filmes. Cerca de 66% declararam que usam programas de bate-papo e que trocam e-mails pelo menos uma vez na semana. Já a participação em fóruns e comunidades virtuais de discussão é menor, 45%, enquanto 30% afirmaram manter blog ou site pessoal.

Publicidade

Quase metade usa a internet para praticar jogos individuais (45%) ou coletivos (35%). Segundo a OCDE, essa preferência não deveria ser vista apenas como diversão. A familiaridade com o computador e a internet são cruciais para o uso eficiente da rede. “Não se familiarizar com práticas sociais promovidas na internet, como bate-papo e troca de e-mails, pode promover baixo nível de letramento digital”, diz o relatório.

O estudo aponta ainda a expansão do uso do computador e da internet pelos estudantes das nações da OCDE: 94% deles declaram possuir ao menos um computador em casa; 89% têm acesso à internet em casa. No Brasil, os números ainda são bastante inferiores: 53,3% têm PC no lar e 58%, acesso à web no local.

“As tecnologias digitais oferecem oportunidade de assegurar ao aluno mais participação no processo de aprendizado em sala de aula, adequação às necessidades individuais e acesso a pesquisas e pensamentos de todo o mundo”, resume Barbara Ischinger, diretora para educação da OCDE.

Leia também:

Publicidade

Escolas do Brasil têm 3ª pior taxa de computador por aluno

Publicidade