Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em 3 anos, faltas de professores aumentam 20% em SP

Em 2012, docentes da rede municipal se ausentaram, em média, 28 dias

Por Da Redação 12 ago 2013, 12h08

Entre 2009 e 2012, o índice de faltas dos professores da rede municipal de São Paulo subiu 20%. No ano passado, os 64.000 docentes da rede acumularam 1,8 milhão de faltas. É como se, na média, cada professor tivesse faltado 28 dias por ano. Os índices são considerados “alarmantes” pela prefeitura. Já o sindicato da categoria alega que a situação é reflexo das condições precárias de trabalho.

Leia também:

Quatro a cada cinco escolas da rede estadual de SP têm turma sem professor

Institutos federais têm déficit de 8.000 professores

Professor da rede estadual falta 27 dias por ano

Os dados foram obtidos pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo por meio da Lei de Acesso à Informação e fazem parte do diagnóstico feito pela gestão do prefeito Fernando Haddad. O número de ausências descritas em 2012 soma 14% do total de 200 dias letivos de aulas obrigatórias.

Apesar de haver um aumento no absenteísmo na rede, a pior situação ocorreu em 2011, quando foram registrados 1,87 milhão de ausências. De 2011 para 2012, houve uma pequena queda de 4% no total.

Entre 2009 e 2012, o número de faltas injustificadas cresceu 68%. Já as abonadas deram um salto de 74%. A consultora em educação Ilona Becskeházy lembra que o principal prejudicado com a situação é o aluno. “Tempo de aula é fundamental. É um problema grave no Brasil, pois não temos um controle social das faltas. Não há uma concepção de que é inaceitável faltar.”

Continua após a publicidade

O secretário municipal de Educação, Cesar Callegari, assume que o quadro é preocupante: “O número de ausências é alarmante. Não pode ser considerado natural, embora parte das faltas seja suportada pela legislação”.

Cada servidor tem direito a dez faltas abonadas e seis justificadas por ano. Em 2012, na média, cada professor da rede abonou 6 faltas, justificou 9 e faltou outras 8 sem justificativa.

Para Cláudio Fonseca, presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem), as condições precárias das escolas e deficiências da carreira explicam os dados. “Os índices apontam a mesma causa: a escola é espaço de desconforto, de adoecimento. Mesmo quando não consegue obter licença médica, o professor assume a falta”, afirma.

Leia também:

Quatro a cada cinco escolas da rede estadual de SP têm turma sem professor

Institutos federais têm déficit de 8.000 professores

Professor da rede estadual falta 27 dias por ano

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade