Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Educação financeira desafia escolas, aponta OCDE

Apenas um em cada sete estudantes é capaz de tomar decisões simples, revela estudo feito em 18 nações — Brasil não faz parte do levantamento

Tabela
Nação Pontuação
Xangai 603
Bélgica 541
Estônia 529
Austrália 526
Nova Zelândia 520
República Tcheca 513
Polônia 510
Letônia 501
Estados Unidos 492
Rússia 486
França 486
Eslovênia 485
Espanha 484
Croácia 480
Israel 476
Eslováquia 470
Itália 466
Colômbia 379
Fonte: OECD PISA Financial Literacy Test

Apenas um em cada sete estudantes de 15 ou 16 anos de idade é capaz de realizar operações simples e cotidianas relativas a finanças, como compreender detalhes de uma fatura ou calcular o preço de um quilo de um alimento no supermercado. É o que revela a edição de educação financeira do Pisa (Programme for International Student Assessment), mais importante avaliação educacional do planeta, realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O relatório divulgado nesta quarta-feira é o primeiro que avalia os conhecimentos financeiros dos estudantes. Os dados foram extraídos do Pisa 2012 e compila os resultados alcançados por 29.000 jovens em 18 nações.

No topo da lista, aparece a província chinesa de Xangai, com 603 pontos, seguida de Bélgica, Estônia, Austrália, Nova Zelândia, República Tcheca e Polônia. A Colômbia, único país da América Latina que entrou na avaliação, teve a pior colocação no ranking: 379 pontos.

O Brasil, que participa da avaliação geral do PISA, não tomou parte neste levantamento. O país é apenas citado como um dos cerca de 50 que deve implantar uma política nacional de educação financeira nas escolas.

Para a OCDE, o ensino de conceitos de educação financeira no ciclo básico poderia dar ferramentas para cidadãos enfrentarem questões do dia a dia e também turbulências econômicas. “Cada vez mais cedo as pessoas são responsáveis pelo seu próprio dinheiro e isso afeta, mais do que nunca, os riscos para o futuro financeiro pessoal e das nações”, disse secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, durante o lançamento do relatório em Paris.

De acordo com a organização, mais de 70% dos estudantes de 15 anos de idade da Austrália, Bélgica, Estônia, França, Nova Zelândia e Eslovênia já possuem conta bancária. O estudo mostra, entretanto, que apenas 10% dos estudantes conseguem resolver problemas financeiros de alta complexidade, como calcular taxas de juros e encontrar a melhor opção de crédito, além de planejar investimentos de longo prazo com base em um amplo panorama econômico.

Os resultados da avaliação não são conclusivos quanto à melhor abordagem para a educação financeira no ambiente escolar. Em Xangai, por exemplo, quase 50% das escolas oferecem o tema no currículo, mas pouco mais de 20% o fazem em uma disciplina separada das demais.

Já a Colômbia, que obteve a pior colocação, também oferece o tema em metade das escolas, mas dessas, quase 40% separam um horário específico para tratar do tema. A OCDE diz que está desenvolvendo mais pesquisas para abordar esta questão no futuro.

Leia também:

Pisa 2012: Cazaquistão e Albânia crescem mais que Brasil

Avanço do Brasil na educação perde fôlego, revela o Pisa

Confira os rankings completos do Pisa: 2000 a 2012