Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Diretores da Unifesp reconhecem problemas em campus

Docentes condenam violência física e verbal, invasão e depredações ao patrimônio público protagonizadas por estudantes

Por Da Redação - 18 jun 2012, 13h24

Os diretores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) divulgaram nota nesta segunda-feira em que reconhecem que o campus de Guarulhos da Unifesp enfrenta “problemas operacionais”. O grupo condenou ainda atos de violência como os registrados na semana passada, o que inclui “a agressão física e verbal, a ameaça de agressão e a intimidação física ou psicológica, que levam o terror ao ameaçado, o impedimento da liberdade de ir e vir e a invasão e a depredação do patrimônio público”. É uma referência a ações de estudantes, que ocuparam o campus, depredaram instalações e acabaram detidos na quinta-feira, após a direção da universidade chamar a Polícia Militar.

Leia também:

Reinaldo Azevedo: Direção da Unifesp pediu ação da PM no campus

Publicidade

PF autua 22 alunos por dano e formação de quadrilha

Publicidade

Estudantes da Unifesp são soltos e deixam a sede da PF

Na quinta-feira, 22 estudantes foram autuados em flagrante por danos ao patrimônio, formação de quadrilha e constrangimento ilegal, sendo liberados no dia seguinte. A PF afirma que, entre os detidos, 14 estudantes já haviam sido conduzidos à superintendência da PF no dia 6 de junho, quando foi cumprida ordem judicial de reintegração de posse do campus, pedida pelo diretor da unidade, Marcos Cézar de Freitas. Dos 14, três têm antecedentes criminais por dano e formação de quadrilha. Os alunos prometem realizar uma manifestação na tarde desta segunda-feira, na avenida Paulista.

Leia também:

Reinaldo Azevedo: Direção da Unifesp pediu ação da PM no campus

Publicidade

PF autua 22 alunos por dano e formação de quadrilha

Publicidade

Estudantes da Unifesp são soltos e deixam a sede da PF

Publicidade