Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Dilma promete 100.000 bolsas para o exterior até 2014

Os primeiros editais vão beneficiar 12.500 universitários pesquisadores nas áreas de tecnologia e inovação

Por Luciana Marques 13 dez 2011, 11h09

A presidente Dilma Rousseff lançou nesta terça-feira, no Palácio do Planalto, editais do Programa Ciência sem Fronteiras para bolsas de estudo no exterior. Podem concorrer alunos de universidades públicas e privadas, sendo que 12.500 estudantes serão selecionados nessa primeira etapa. Até 2014, serão mais de 100.000 beneficiados pelo programa, sendo 75.000 bolsas pagas pelo governo e 26.000, pela iniciativa privada. O Planalto vai investir um total de 3,2 bilhões de reais no projeto nos próximos três anos.

As pesquisas são para as áreas de tecnologia e inovação, educação profissional e pós-graduação. Entre os cursos superiores incluídos no programa estão Engenharia, Física, Biologia, Química e Computação. Os cursos terão um ano de duração em países como Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Itália e França.

A bolsa inclui alojamento e refeições oferecidas pela universidade estrangeira, passagens aéreas, seguro saúde e um valor mensal de 870 dólares. Participaram da cerimônia no Palácio do Planalto setenta reitores de universidades federais e escolas técnicas.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que o programa vai beneficiar todas as classes sociais. “Queremos mandar para o exterior a elite intelectual, seja ela pobre ou rica”, afirmou.

Inscrições – O período de inscrições será de 13 de dezembro de 2011 a 15 de janeiro de 2012. De acordo com o Ministério da Educação, os estudantes selecionados devem viajar em março de 2012. Eles poderão estudar idiomas nos primeiros seis meses de estadia no país.

Para se inscrever, é preciso ter nacionalidade brasileira, estar regularmente matriculado no curso de graduação, ter finalizado entre 40% e 80% do currículo previsto, apresentar nota mínima em teste de proficiência de idioma e ter bom desempenho acadêmico. O critério prioritário será a nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que deve ser superior a seiscentos pontos. Alunos que receberam medalhas de ouro em Olimpíadas de Ciência ou Matemática também terão maiores chances de conseguir a bolsa.

O processo de seleção será realizado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (Capes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O formulário de inscrição está disponível no site www.cienciasemfronteiras.gov.br.

Continua após a publicidade
Publicidade