Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cursinho do Ceará também distribuiu questões do Enem

Cerca de 320 alunos do curso pré-universitário do Colégio Christus também tiveram acesso às questões

Cerca de 320 alunos do curso pré-universitário do Colégio Christus, de Fortaleza, também tiveram acesso com antecedência a questões idênticas às que caíram no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. Os mesmos cadernos entregues aos alunos do 3º ano do ensino médio foram oferecidos aos que realizam cursinhos. O Ministério da Educação (MEC) disse que mantém a decisão de cancelar a prova apenas dos 639 concluintes do ensino médio.

A falha mais grave do Enem

Instituído em 1998 como ferramenta de medição da qualidade do ensino médio, o Enem foi transfigurado, em 2009, em vestibular. Desde então, coleciona turbulências, como furto de provas e erros de impressão. O problema que sacode a edição 2011, contudo, é mais grave. Dias antes de sua realização, em 22 e 23 de outubro, alunos do Colégio Christus, em Fortaleza, tiveram acesso a 14 questões que constavam da avaliação federal. Pior: suspeita-se que estudantes de outras instituições viram os testes. Isso configura um ataque ao princípio da isonomia do exame, segundo o qual todos os participantes devem estar submetidos às mesmas condições ao realizar a prova. O episódio também revela uma falha no processo de aplicação do Enem, ainda a ser detalhada pela investigação em curso na Polícia Federal.

Estudantes do cursinho confirmaram ter recebido o caderno com a mesma antecedência que os outros. “Eu recebi os cadernos e fiz as questões. Até minha irmã, que não estuda no Christus, mas também fez o Enem, viu as questões em casa e resolveu comigo”, disse a aluna do cursinho no Christus Amanda Galdino Carneiro, de 20 anos. Segundo ela, foi o professor de física Jahilton Motta quem entregou o caderno com os itens. “Ele comentou para não nos impressionarmos se uma ou duas questões do material caíssem no Enem.”

Também estudante do cursinho, Robert Pouchain, de 20 anos, teve acesso ao caderno. “Recebemos o material. Mas as questões do pré-teste já estarem neste Enem mostra uma fragilidade do Inep”, disse.

Os dois são alunos da unidade Christus Sul, no Alagadiço Novo, onde o professor Jahilton deu aula ontem – o prédio fica distante da sede localizada na Aldeota, onde o assédio da imprensa é maior e, segundo funcionários, o professor não foi visto nesta semana. Os alunos contaram que o professor começou a aula comentando o episódio. Ele, que dá aulas há mais de 30 anos no colégio, teria dito que seu nome tem sido “exposto” na imprensa e se defendeu dizendo que não teria feito nada de errado.

Pelo relato dos alunos, Jahilton não deu detalhes de como as questões do pré-teste (realizado na escola há um ano) foram parar nas mãos dele e, depois, entregues aos alunos da escola. “Como ele é coordenador dos professores, é sempre quem entrega esse tipo de material extra”, diz Amanda. Os dois alunos defendem o cancelamento total da prova – ou pelo menos das questões iguais.

(Com Agência Estado)