Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

“Crianças podem mais do que imaginamos”, diz neurocientista americana

Saiba quais são as dicas de uma das cientistas mais influentes do mundo na área da educação infantil

Por Maria Clara Vieira - Atualizado em 13 dez 2019, 18h07 - Publicado em 13 dez 2019, 18h05

Há quase 20 anos, a neurocientista Adele Diamond foi considerada uma das 2000 Mulheres Notáveis do Século XX. A lista de prêmios e honrarias concedidas à professora de Neurociência Cognitiva do Desenvolvimento na University of British Columbia, em Vancouver, Canadá, é extensa: ela listada como uma das 15 neurocientistas vivas mais influentes da atualidade e é membro da Royal Society do Canadá e teve sua carreira reconhecida pela Associação Americana de Psicologia; tudo isso graças às suas pesquisas que visam revolucionar o aprendizado infantil com base em evidências científicas. No YouTube, seu TED Talk sobre o assunto foi visto por mais de 50 000 pessoas. Adele, que possui doutorado na Universidade de Harvard e pós-doutorado na Escola Médica de Yale, esteve recentemente no Brasil a convite do Itaú Social. Confira, abaixo, alguns dons conselhos da especialista para gestores e professores que miram a educação do futuro.

Priorize os relacionamentos

Construir um senso de comunidade com as crianças deve ser o ponto de partida dos educadores – que não significa que professores devam ser só abraços e carinhos. “O importante é garantir que as crianças saibam que os adultos se preocupam com elas e desejam seu sucesso reduz o estresse em sala de aula”, explica a neurocientista.

Promova a independência

Publicidade

“Os educadores precisam ajudar e capacitar as crianças a fazerem por si mesmas e a resolverem seus próprios problemas”, afirma Adele, que acredita que os pequenos são mais capazes de assumir responsabilidades do que a educação convencional acredita. “O céu é o limite para o que os jovens podem alcançar se estiverem envolvidos em atividades com as quais realmente se preocupam”, afirma.

Ensine autocontrole

Segundo a especialista, “o controle inibitório é a função executiva mais preditiva de resultados a longo prazo”. Trocando em miúdos, crianças mais persistentes, menos impulsivas e mais capazes de regular sua atenção tornam-se adultos com melhor saúde, maior renda e uma melhor qualidade de vida. Portanto, ensinar a pensar antes de falar ou agir e a disciplina para permanecer em uma tarefa chata ou demorada é essencial.

Incentive a flexibilidade

Publicidade

“O mundo está mudando rapidamente e as crianças serão confrontadas com problemas e desafios no futuro que nem podemos imaginar”, lembra Adele. “Novas carreiras serão criadas e muitos empregos comuns desaparecerão”. Nesse sentido, é essencial que as crianças sejam incentivadas a repensar problemas e lidar com mudanças repentinas, encontrando rotas alternativas para seus projetos.

 

Publicidade