Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Concurso premia iniciativas benéficas à educação infantil

Prêmio Alas-BID procura projetos inovadores que aprimoram a educação de crianças de até seis anos

Por Da Redação 10 Maio 2013, 21h03

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a organização sem fins lucrativos América Latina em Ação Solidária (Alas) recebem, até o dia 31 de maio, inscrições para a segunda edição do Prêmio Alas-BID pelo Desenvolvimento da Primeira Infância. O concurso reconhecerá iniciativas que apresentarem inovações ou soluções capazes de melhorar a educação voltada a crianças de zero a seis anos. Os projetos são divididos em quatro categorias: melhor centro, melhor educador, melhor publicação e melhor inovação em metodologia. Os vencedores não ganharão recompensa monetária – apesar de, em 2012, terem recebido doações dos sócios do concurso.

Leia também:

‘Investir em educação infantil é investir em capital humano’

Lei da pré-escola é avanço. E tirá-la do papel, um desafio

Podem se inscrever organizações e educadores que estejam, de alguma forma, vinculados a crianças de até seis anos – desde que residentes de algum país da América Latina e Caribe onde o BID tenha representação. O formulário para envio dos projetos se encontra no site do prêmio, em espanhol. Os vencedores serão anunciados no segundo semestre deste ano e receberão o prêmio das mãos do presidente do BID, Luis Alberto Moreno, e da cantora Shakira, fundadora do Alas.

Edição passada – Realizado em 2012, o primeiro Prêmio Alas-BID laureou como melhor educador a professora mexicana Martha Ivette Rivera Alanis, professora do jardim de infância que se tornou famosa depois de postar no Youtube um vídeo no qual cantava para acalmar seus alunos durante um tiroteio que acontecia próximo à escola onde lecionava. Já o prêmio de melhor inovação foi para a ONG brasileira Saúde Criança, que acompanha crianças doentes e suas famílias – geralmente pobres – para promover a estabilidade familiar e a cura da criança, dentro e fora do hospital.

O reconhecimento de melhor publicação foi para o livro Antonia, escrito pela colombiana Paula Mejía e ilustrado pela argentina María Paula Dufour. A obra trata da história de uma criança autista e foi a premiada na categoria por abordar o transtorno de forma acessível a pais e crianças. A comissão julgadora também definiu como melhor centro a Fundação Dar Amor, que cuida de crianças com Aids e cuja sede se localiza em Cali, na Colômbia. O prêmio recebeu cerca de 700 incrições em 2012.

Continua após a publicidade
Publicidade