Clique e assine com até 92% de desconto

Ciência sem Fronteiras abre vagas em mais quatro países

Austrália, Coréia do Sul, Finlândia e Grã-Bretanha são novos destinos do programa de intercâmbio. No total, nove nações aguardam bolsistas brasileiros em 2014

Por Da Redação 7 jun 2013, 20h04

O programa Ciência sem Fronteiras (CsF) abriu novas inscrições para graduação na modalidade sanduíche – pela qual parte do curso é realizada no Brasil e parte no exterior – na Austrália, Coréia do Sul, Finlândia e Grã-Bretanha. Os países se unem à lista anunciada na última terça-feira, da qual constava Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Hungria e Japão. No total, são 13.480 vagas em 18 áreas de conhecimento científico e tecnológico, informou o Ministério da Educação (MEC).

Hungria e Austrália são os países com o maior número de bolsas: 2.300 e 2.250 respectivamente. Em seguida estão Canadá (2.188), Alemanha, Estados Unidos e Grã-Bretanha (2.000 vagas cada), Finlândia (300), Coreia do Sul (292) e Japão (150).

Entre as universidades que acolhem brasileiros pelo programa, estão Harvard (Estados Unidos), considerada a universidade com maior reputação do mundo pela publicação britânica Times Higher Education (THE), e a de Tóquio (Japão), que ficou em nono lugar do mesmo ranking.

Leia também:

A manobra delicada do Ciência sem Fronteiras

MEC veta bolsas do Ciência sem Fronteiras em Portugal

Continua após a publicidade

Governo lança balanço do Ciência sem Fronteiras

Os interessados em se candidatar a essas bolsas podem fazer a inscrição até julho de 2013, o dia exato do prazo depende do edital de cada país, pelo site do CsF (www.cienciasemfronteiras.gov.br). O intercâmbio, com início em 2014, terá duração de 12 meses, podendo se estender por mais seis, caso o estudante opte por realizar um curso de idioma.

Pré-requisitos – Para participar do programa, o candidato deve estar regularmente matriculado em uma instituição de ensino superior e ter cursado no mínimo 20% e no máximo 90% do currículo de sua graduação. Também é necessário comprovar proficiência na língua estrangeira com a apresentação dos diplomas específicos exigidos pelo programa. Ser brasileiro ou naturalizado, possuir desempenho acadêmico satisfatório e ter média igual ou superior a 600 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) realizado após 2009.

Será dada preferência àqueles que tiverem recebido premiação em olimpíadas científicas e aos que foram ou são franqueados com bolsa de iniciação científica ou tecnológica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Quem participa ou participou do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), também terá vantagem sobre os demais.

Leia também:

Para o governo brasileiro, inglês fraco não é obstáculo para bolsistas brasileiros que vão ao exterior

Continua após a publicidade
Publicidade