Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Campus Butantã vai abrigar parte das aulas da USP Leste

Prioridade é concluir ano letivo de 2013, interrompido por greve. Grupos de pesquisa da unidade seguem desabrigados e temem prejuízos

Alunos, professores e funcionários do campus Leste da Universidade de São Paulo (USP) serão transferidos provisoriamente para a Cidade Universitária, no Butantã, Zona Oeste da capital paulista, a partir de segunda-feira. Isso porque o campus Leste, onde funciona a Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), foi interditado na quinta-feira em razão de problemas ambientais. A unidade abriga cerca de 5.000 alunos.

Leia também:

USP Leste é interditada por problemas ambientais

USP Leste tem água imprópria e piolho de pombos

USP Leste tem prazo de 30 dias para suspender aulas

Por causa da greve realizada entre agosto e setembro do ano passado, alguns cursos ainda precisam concluir o ano letivo de 2013. Eles utilizarão o prédio de psicologia do campus Butantã para finalizar as aulas do semestre pendente.

Já as aulas do primeiro semestre de 2014, previstas para começar no dia 17 fevereiro, ainda não têm local definido. Alguns professores sinalizam que não vão aceitar um espaço improvisado para lecionar e defendem o início de uma greve.

Os grupos de pesquisa da USP Leste seguem desabrigados. Com o fechamento dos laboratórios, professores e alunos temem prejuízos com a perda de amostras e reagentes. A pressa para resgatar materiais foi criticada por pesquisadores. “Retiramos algumas plantas, mas não deu para deslocar tudo o que está no freezer”, lamentou Silvana Godoy, pesquisadora na área de Botânica. “A situação é caótica”, completou.

Cerca de 40 professores da unidade atuam nos laboratórios de ciências naturais e 60, nos de computação. A falta de espaço no campus Butantã, bem como a burocracia, impedem o transporte de aparelhos, microscópios e computadores. Para Luis Schiesari, que preside a Comissão de Pesquisa da USP Leste, “a diversidade das atividades de pesquisa e a necessidade de instalações e equipamentos especiais dificultam a transferência”.

Cálculos dos próprios docentes indicam que as pesquisas já concluídas ou em andamento na USP Leste envolvem um montante de 18,7 milhões de reais, entre bolsas e financiamentos, repassados por agências do país e do exterior.

Leia também:

Marco Antonio Zago é o novo reitor da USP

Segunda fase da Fuvest foi completa e exigente, diz professor

(Com Estadão Conteúdo)