Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

A redação do Enem explicada pelo Enem

Cartilha do Inep explica, passo a passo, as exigências para se obter uma boa nota na prova

Por Ana Beatriz Magno 18 out 2016, 17h57

Entre as ferramentas para alcançar uma boa nota na redação do Enem, ler as instruções é a mais essencial. Pela primeira vez em dezoito anos de exame, os organizadores da prova de 2016 prepararam uma cartilha de sessenta páginas contendo informações, dicas e orientações práticas. Fazem parte dela reproduções de textos nota 1 000, explicações sobre a composição da nota e o esclarecimento de dúvidas recorrentes.

A exigência do respeito aos direitos humanos é uma delas. Até este ano, sabia-se que seu não cumprimento era uma falta grave, que poderia zerar a redação. “Agora, o Inep traduz isso de maneira concreta”, diz André Valente, professor do Cursinho da Poli, de São Paulo. “Por exemplo, a questão da pena de morte. A maioria dos alunos entrava na prova achando que não podia tocar no assunto. Agora sabemos que não é bem assim. Ela pode ser citada, desde que em um contexto de politica pública, administrada pelo estado”, explica.

Outro aspecto que o documento esclarece é sobre a composição da nota nas cinco competências avaliadas na redação: domínio da língua formal, compreensão do tema proposto, capacidade de selecionar, relacionar e organizar informações, capacidade de argumentação e elaboração de proposta de intervenção para o solucionar o problema abordado. A cartilha do Inep informa que cada competência vale 200 pontos e, por meio de tabelas, mostra como a nota é composta em cada uma delas.

O tópico mais importante está nas últimas páginas da cartilha, no capítulo que reproduz redações que obtiveram nota máxima nos últimos três anos. Todos os textos são comentados por examinadores, o que faz deles uma excelente ferramenta de estudo. “Nesta seção a cartilha demonstra que a redação nota 1 000 não é um feito limitado a gênios. São alunos comuns que capricharam, estudaram e às vezes até erraram uma coisa ou outra na ortografia, mas estruturaram e fundamentaram bem suas narrativas”, analisa o professor Valente.

Veja aqui a cartilha do Inep na íntegra

 

Continua após a publicidade
Publicidade