Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Zona do euro pressiona Grécia a formar governo e cumprir compromissos

Bruxelas, 14 mai (EFE).- Os parceiros da zona do euro instaram nesta segunda-feira à Grécia que forme um governo que afaste as dúvidas sobre sua vontade de cumprir os compromissos adquiridos no marco do segundo resgate financeiro e respaldaram sua permanência no euro, porque caso contrário, advertiram, a ajuda internacional seria cortada.

Em sua chegada para uma reunião do Eurogrupo, vários ministros de Economia da zona do euro aumentaram a pressão sobre Atenas para conseguir um pacto governamental e seguir com as reformas econômicas, interditadas pelos partidos que têm a incumbência de formar governo.

O ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, advertiu que as eleições não mudam as condições difíceis enfrentadas pela Grécia, que precisa implementar as medidas estabelecidas no segundo programa para voltar à sustentabilidade econômica.

‘A Grécia tem que cumprir as exigências. Não temos um acordo com o governo, mas com o país’, assinalou o ministro luxemburguês, Luc Frieden.

‘Temos um acordo e isso significa que devem ser cumpridas as exigências. Então o dinheiro flui. Se não cumprem essas exigências, o dinheiro não flui’, afirmou a ministra de Finanças austríaca, Maria Fekter.

Uma mensagem similar lançou o ministro das Finanças irlandês, Michael Noonan, que foi o único que deixou a porta aberta a renegociar os termos do programa com a Grécia.

A tarefa de formar governo não é simples, já que após várias tentativas fracassadas, o segundo partido mais votado nas eleições do dia 6 de maio, a força esquerdista Syriza, mantém sua rejeição às reformas econômicas impulsionadas por Bruxelas, o que bloqueia qualquer acordo com os socialistas do Pasok e os conservadores da Nova Democracia.

O presidente da Grécia, Karolos Papoulias, propôs nesta segunda-feira aos líderes dos principais partidos políticos do país que formem um novo governo de tecnocratas, que tire o país do ponto morto causado pela fragmentação política.

O ministro de Economia da Espanha, Luis de Guindos, atribuiu à delicada situação helena as quedas nas bolsas europeias e nos mercados de dívida, onde o prêmio de risco espanhol disparou até tocar os 492 pontos, para fechar finalmente em 478.

‘A incerteza se deve às possíveis repercussões que pode ter o tema grego, isso está afetando o conjunto países. Esse é o tema que temos que resolver’ no Eurogrupo, afirmou De Guindos.

A Eurozona também demonstrou seu respaldo à permanência da Grécia na moeda única, enquanto ganham força os rumores sobre a possível saída do país do euro, o que representaria um ‘fracasso para todos’, segundo o ministro espanhol.

‘Não se pode sair da eurozona, se pode sair da UE (e com isso deixar o euro). Mas então a Grécia teria que esforçar depois para ser readmitida, haveria negociações de adesão e então analisaríamos muito bem se reúne as condições’, ressaltou Maria Fekter.

Por sua parte, a Comissão Europeia também pediu que o país cumpra seus compromissos: ‘Queremos a Grécia no euro’, reforçou a porta-voz comunitária Pia Ahrenkilde, que no entanto insistiu que ‘muitas respostas devem vir da Grécia’. EFE