Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

YPF pede investimento a Petrobras e propõe negócios conjuntos na A.Latina

Por Da Redação
20 abr 2012, 13h56

Brasília, 20 abr (EFE).- O ministro do Planejamento argentino, Julio de Vido, pediu nesta sexta-feira ao Brasil que aumente os investimentos no setor petrolífero e propôs que a Petrobras e YPF avancem em ‘negócios conjuntos’ na América Latina, após a desapropriação dessa empresa antes sob controle da espanhola Repsol.

‘Temos o desafio de avançar em negócios conjuntos tanto na Argentina quanto na região’, declarou De Vido em entrevista coletiva junto ao ministro de Minas e Energia brasileiro, Edison Lobão.

Para De Vido, ‘hoje a Argentina está recriando a presença do Estado na YPF’ e decidiu tomar como ‘modelo’ a Petrobras, uma empresa com a qual aspira desenvolver acordos de cooperação no âmbito argentino, mas também no espaço regional.

Em um tom claramente político, De Vido citou os ex-presidentes da Argentina Néstor Kirchner e do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, assim como o governante venezuelano, Hugo Chávez, entre os que ‘semearam a semente’ da União de Nações Sul-americanas (Unasul) e de um novo modelo de integração latino-americano.

Essa ‘nova integração’, como ressaltou De Vido, coloca a região em uma ‘etapa diferente’ e em um novo tipo de cooperação, que no caso da Petrobras e da YPF representa ‘o desafio de fazer negócios juntos’.

Garantiu que as relações entre a Argentina e o Brasil são ‘muito fortes’ e garantiu que serão ainda mais, nos moldes dessas ‘novas cooperações’ que surgem após a nacionalização da YPF.

Continua após a publicidade

Lobão confirmou que De Vido pediu expressamente que a Petrobras aumente os investimentos no mercado de hidrocarbonetos argentino, que neste ano são estimados em US$ 500 milhões, a mesma quantia que a empresa brasileira investiu no país vizinho durante o ano de 2011.

Na reunião com De Vido também participou a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, e Lobão garantiu que tanto a empresa quanto o próprio Governo brasileiro estão dispostos a fazer ‘todos os esforços necessários’ para atender ao pedido argentino.

Esclareceu, no entanto, que a capacidade de investimento da Petrobras é ‘limitada’, pois tem fortes compromissos na prospecção e exploração de novos campos no Brasil, especialmente na região do chamado pré-sal, um novo horizonte de hidrocarbonetos situado em águas profundas do Oceano Atlântico.

De acordo com De Vido, a participação da Petrobras no mercado de combustíveis da Argentina é atualmente de 8%, mas pode chegar a 15% no curto prazo com reforço de investimentos.

O ministro argentino, quem foi designado interventor da YPF após a desapropriação de 51% das ações que estavam em mãos da Repsol, negou de forma taxativa que o pedido de novos investimentos ao Brasil tenha o objetivo de cobrir o vazio deixado pela empresa espanhola.

Continua após a publicidade

‘Petrobras não substituirá ninguém’, afirmou De Vido. Ele admitiu, porém, que tem mantido conversas com outras grandes empresas petrolíferas do mundo a fim de que reforcem os investimentos na Argentina.

Nesse sentido, precisou que nesta quinta-feira se reuniu com diretores da empresa francesa Total e apontou que na próxima semana fará o mesmo com representantes das americanas Chevron e Exxon.

Garantiu que desde que foi designado interventor da YPF não teve ‘contato algum’ com representantes da empresa chinesa Sinopec. Fontes do mercado apontam que a companhia chinesa tem a intenção de ocupar o espaço aberto com a saída da Repsol.

De Vido também afirmou que o conflito da Petrobras com as autoridades da província argentina de Neuquén, que cancelaram uma concessão da empresa brasileira, está sendo negociado e em vias de ser solucionado.

‘Há uma pequena diferença que está em vias de ser resolvida’, declarou o ministro argentino, quem especificou que a decisão final depende das autoridades provinciais, que são ‘autônomas’. EFE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.