Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Yellen defende fortemente políticas expansionistas do Fed

Dentre as medidas apoiadas pela presidente do banco central norte-americano estão as taxas de juros mais baixas e a manutenção dos estímulos monetários

ue mostreuyweu

A atual presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Janet Yellen, disse nesta segunda-feira que o compromisso “extraordinário” do banco central dos Estados Unidos em impulsionar a economia, especialmente o mercado de trabalho, ainda será necessário por algum tempo.

Leia também:

Fed muda premissa para definir juros e corta estímulos em US$ 10 bi

Fed quer dar previsibilidade a redução dos estímulos monetários

Bernanke deixa o Fed para Yellen em tempos de tormenta monetária

Durante uma conferência em Chicago, Yellen defendeu de maneira forte as políticas do Fed de taxas de juros baixas e contínuas compras de títulos, ao afirmar que ainda há uma “considerável” ociosidade na economia e no mercado de trabalho. “Acredito que este compromisso extraordinário ainda é necessário e o será por algum tempo, e acredito que essa visão é amplamente compartilhada pelas outras autoridades do Fed”.

Segundo publicou o Wall Street Journal, nesta segunda-feira, Yellen, ao enfatizar a fraqueza da economia norte-americana, aliviou preocupações do mercado financeiro de que o Fed poderia elevar a taxa de juros antes que o esperado. Expectativas de investidores apontam que o primeiro aumento da taxa de juros deverá ocorrer em meados de 2015. “As medidas recentes do Fed de redução das compras de ativos não demonstram um deminuição diante deste compromisso (de um aumento gradativo das taxas de juros). Apenas uma avaliação mostrando que o mercado de trabalho está porgredindo pode significar que o nosso auxílio para a recuperação não precisa crescer tão rapidamente”, afirmou Yellen.

Atualmente, a taxa de desemprego dos EUA está em 6,7%, bem acima da média de 5,2% a 5,6% que autoridades do Fed enxergam como normal, enquanto a inflação anual está ligeiramente acima de 1%, bem abaixo da meta da autoridade monetária de 2%.

(com agência Reuters)