Clique e assine com até 92% de desconto

XP fica de fora da primeira fase do PIX

Apesar de já ter permissão para operar como banco múltiplo, XP se atrasou no lançamento de sua conta corrente a clientes e concorrentes passaram na frente

Por Josette Goulart Atualizado em 22 out 2020, 18h14 - Publicado em 22 out 2020, 16h08

O Banco Central divulgou hoje uma lista com 762 nomes de instituições financeiras e cooperativas de crédito que se habilitaram para começar a rodar o PIX, o novo sistema de pagamentos, na sua estreia, em 16 de novembro. Quase todo mundo conhecido dos consumidores e usuários do sistema financeiro está lá na lista, dos grandes bancos às fintechs como Nubank, Neon, Stone. Mas o que chamou mesmo a atenção foi a falta de um nome importante do sistema financeiro: o da XP Investimentos. A empresa informou que foi por opção que não aderiu ao PIX, já que num primeiro momento o sistema não agregaria valor ao seu cliente. A XP só trabalha com conta investimento, que hoje já restringe a transferência de recursos somente para contas de mesma titularidade e a maioria dos investimentos não tem opção de resgate instantâneo. Mas se tecnicamente não fará grande diferença para o cliente da XP não estar no PIX, já em novembro, em termos de marketing e de concorrência estar de fora é… estar de fora.

  • Do outro lado da linha, a de quem está dentro do PIX, está o grande concorrente — na visão de alguns, mais do que concorrente, o grande inimigo — da XP: o BTG Pactual. O banco de André Esteves há pouco tempo deixou de ser só um banco de investimentos e se lançou, com barulho, como um banco completo para seus clientes. É notória a disputa entre os dois, que já vem de alguns anos desde que o BTG resolveu entrar no mercado da XP e começou a assediar os agentes autônomos que trabalhavam para a corretora. Importantes agentes transferiam seus negócios para o BTG. Só que o BTG foi além e lançou seu banco para o varejo. Então, estar fora do PIX, também significa que a XP está atrasada. “O PIX reforça a importância da oferta de conta corrente e integração dos produtos financeiros. Se não estão na jogada, estão perdendo. Eles, a XP, já são banco múltiplo, e o PIX seria uma enorme oportunidade para se lançar”, diz João Bragança, da consultoria Roland Berger. “Claro que o cliente da XP, que faz investimentos, não vai sair por que não tem o PIX. Mas isso no curto prazo. Se a partir de janeiro, quando a oferta dos outros bancos estiver mais robusta, a XP não estiver plugada, aí começa a ter atrito”.

    A XP poderia estar plugada ao PIX mesmo que só ofereça a conta investimento, já que o sistema de pagamentos pode ser usado para fazer qualquer tipo de transferência. Se o cliente dormir com um dinheiro na conta investimento, sem o PIX, terá que esperar o dia amanhecer para fazer a transferência. A partir do dia 01 de dezembro, qualquer instituição que ainda não esteja habilitada para operar o PIX poderá pedir sua adesão ao Banco Central, a qualquer tempo, segundo informou a instituição. Em junho, quando saiu uma das primeiras listas dos interessados em fazer parte do PIX, eram quase mil nomes dos que tinham intenção de fazer parte do sistema. Isso significa que não foi só a XP que ficou de fora neste primeiro momento. As instituições de varejistas como Magazine Luiza, Pernambucanas, Renner, OLX, Alibaba também ficaram de fora. O PIX, que permite pagamentos e transferências instantâneas 24 horas por dia, 7 dias por semana, será lançado oficialmente em 16 de novembro, mas no dia 03 alguns clientes das instituições cadastradas vão começar a testar o sistema. No momento, estão todos na fase do cadastro das chaves PIX, que substituem as informações de agência, conta corrente. Cada pessoa física pode cadastrar cinco chaves, sendo que as mais usadas são e-mail, celular e CPF. O serviço será gratuito para esse público. Até o meio dia desta quinta-feira, 48,5 milhões de chaves já tinham sido cadastradas. Segundo o diretor do BC, João Manuel Pinho Melo, o sistema já se mostra um sucesso pelo baixo número de reclamações: apenas 43. No começo da semana, o diretor informou que mais de 17 milhões de CPFs já tinham se cadastrado para usar o PIX. Ele não informou quantos CNPJs. As empresas podem cadastrar até 20 chaves. 

    Publicidade