Clique e assine a partir de 9,90/mês

Wall Street termina em alta após diálogo França-Alemanha-Grécia

Por Spencer Platt - 14 set 2011, 18h54

A Bolsa de Valores de Nova York terminou a quarta-feira em alta, em meio aos sinais de que os líderes europeus poderiam estar unindo forças para enfrentar a crise de dívida do continente.

O Dow Jones Industrial Average ganhou 140,88 pontos (+1,27%), fechando a 11.246,73, e o termômetro da tecnologia, Nasdaq, subiu 40,40 pontos (+1,58%), encerrando o dia a 2.572,55.

Já o índice Standard and Poor’s 500 subiu 1,35% (15,81 pontos), fechando a 1.188,68.

De acordo com especialistas de mercado, a teleconferência entre o presidente francês, Nicolas Sarkozy, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro grego, George Papandreou, sobre a crise europeia foram os principais responsáveis pela alta.

Continua após a publicidade

“Wall Street ainda está bastante concentrada no que acontece com Grécia e Europa e as notícias de hoje foram positivas nessas regiões”, disse à AFP o analista da Wells Fargo Advisors, Scott Marcouiller.

Após a conferência, Sarkozy e Merkel disseram que estão “convencidos” de que o futuro de Grécia está nas mãos da Zona Euro, sendo que Papandreou expressou sua “absoluta determinação” de honrar os compromissos adotados para o resgate financeiro de seu país.

“Os mercados seguem como montanhas-russas e deve continuar assim ao menos no curto prazo”, disse Marcouiller.

Outra notícia da Europa que foi bem recebida em Nova York foi a confirmação pelo presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, da apresentação de um estudo para a criação do eurobônus, um mecanismo pelo qual os Estados da Zona Euro compartilham os riscos de suas respectivas dívidas.

Continua após a publicidade

“Esse dado foi muito positivo”, disse o analista da Rockwell Global Capital, Peter Cardillo.

De acordo com os analistas de mercado, a alta de hoje só não foi maior devido à publicação de indicadores ruins nos EUA.

Segundo o Departamento do Comércio americano, as vendas de agosto ficaram estáveis em relação a julho, sendo que a expectativa era de alta.

Além disso, a confiança do consumidor americano desabou no mesmo mês, devido às desavenças políticas em democratas e republicanos, que deixou o país perto de decretar a moratória. Os preços aos produtores (PPI, na sigla em inglês), por sua vez, ficaram estáveis em agosto, indicando diminuição das pressões inflacionárias no país.

Continua após a publicidade

No mercado obrigatório, cujos rendimentos evoluem em sentido contrário aos preços, o rendimento do bônus do Tesouro com vencimento para 10 anos subiu para 2,011%, contra 1,994% na terça-feira. Já o bônus para 30 anos recuou para 3,305%, contra 3,321% na véspera.

Na América Latina, as principais bolsas também terminaram o dia em alta: a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) subiu 0,97%, México 2,10%, Santiago 0,53% e Bogotá 0,51%.

Publicidade