Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Wall Street termina em alta após diálogo França-Alemanha-Grécia

Por Spencer Platt 14 set 2011, 18h54

A Bolsa de Valores de Nova York terminou a quarta-feira em alta, em meio aos sinais de que os líderes europeus poderiam estar unindo forças para enfrentar a crise de dívida do continente.

O Dow Jones Industrial Average ganhou 140,88 pontos (+1,27%), fechando a 11.246,73, e o termômetro da tecnologia, Nasdaq, subiu 40,40 pontos (+1,58%), encerrando o dia a 2.572,55.

Já o índice Standard and Poor’s 500 subiu 1,35% (15,81 pontos), fechando a 1.188,68.

De acordo com especialistas de mercado, a teleconferência entre o presidente francês, Nicolas Sarkozy, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro grego, George Papandreou, sobre a crise europeia foram os principais responsáveis pela alta.

“Wall Street ainda está bastante concentrada no que acontece com Grécia e Europa e as notícias de hoje foram positivas nessas regiões”, disse à AFP o analista da Wells Fargo Advisors, Scott Marcouiller.

Após a conferência, Sarkozy e Merkel disseram que estão “convencidos” de que o futuro de Grécia está nas mãos da Zona Euro, sendo que Papandreou expressou sua “absoluta determinação” de honrar os compromissos adotados para o resgate financeiro de seu país.

“Os mercados seguem como montanhas-russas e deve continuar assim ao menos no curto prazo”, disse Marcouiller.

Continua após a publicidade

Outra notícia da Europa que foi bem recebida em Nova York foi a confirmação pelo presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, da apresentação de um estudo para a criação do eurobônus, um mecanismo pelo qual os Estados da Zona Euro compartilham os riscos de suas respectivas dívidas.

“Esse dado foi muito positivo”, disse o analista da Rockwell Global Capital, Peter Cardillo.

De acordo com os analistas de mercado, a alta de hoje só não foi maior devido à publicação de indicadores ruins nos EUA.

Segundo o Departamento do Comércio americano, as vendas de agosto ficaram estáveis em relação a julho, sendo que a expectativa era de alta.

Além disso, a confiança do consumidor americano desabou no mesmo mês, devido às desavenças políticas em democratas e republicanos, que deixou o país perto de decretar a moratória. Os preços aos produtores (PPI, na sigla em inglês), por sua vez, ficaram estáveis em agosto, indicando diminuição das pressões inflacionárias no país.

No mercado obrigatório, cujos rendimentos evoluem em sentido contrário aos preços, o rendimento do bônus do Tesouro com vencimento para 10 anos subiu para 2,011%, contra 1,994% na terça-feira. Já o bônus para 30 anos recuou para 3,305%, contra 3,321% na véspera.

Na América Latina, as principais bolsas também terminaram o dia em alta: a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) subiu 0,97%, México 2,10%, Santiago 0,53% e Bogotá 0,51%.

Continua após a publicidade

Publicidade